Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Guns N'Roses no Rio, depois dos temporais

Do 1.º disco de inéditas em 15 anos, saíram 'If the World', Street of Dreams' e 'Magadascar'

Roberta Pennafort - O Estado de S. Paulo,

05 Abril 2010 | 16h43

Com nove anos, dois meses, três semanas e duas horas e meia de atraso, o mineiro Mário Maia conseguiu assistir pela primeira vez, na madrugada de segunda-feira, à banda que o fez começar a gostar de rock’n’roll. O médico de 34 anos perdeu o show do Guns N’ Roses em 2001 – estava no meio do caminho de Belo Horizonte para o Rio quando teve de dar meia volta: um plantão fora de hora o chamava. Há três domingos, ele voltou à cidade, mas a chuva derrubou o palco e Mário novamente foi para casa sem ouvir Axl Rose cantar Sweet Child O’ Mine.

 

Mas todo o esforço se pagou. "Quando cancelaram, a sensação era de que esse show definitivamente não era para mim. Mas agora sei que estava errado, graças a Deus!", disse Maia, acompanhado do amigo engenheiro Carlos Pagliosa, de 39 anos. Os dois preferiram viajar para ver e ouvir o Guns na Praça da Apoteose por causa da acústica ruim do Mineirinho. Não se arrependeram. Comprovaram que Axl Rose continua tudo aquilo que eles aprenderam a amar nos anos 80, ainda garotos, e seguiram acompanhando até Chinese Democracy, o CD de 2008 que batiza a turnê da banda, finalizada, no Brasil, com a passagem pelo Rio (eles agora seguem para a América Central).

 

Do repertório do disco, o primeiro de inéditas que os fãs conheceram em 15 anos, saíram músicas como If the World, Street of Dreams e Magadascar, em que a potência vocal e os agudos de Axl foram sublinhados. A música-título, além de Sorry e Better, também do CD recente, foram bem cantadas pela plateia de cerca de 25 mil pessoas, na faixa dos 20, 30, 40 anos.

 

O coro, no entanto, se intensificou mesmo nos hits de Appetite For Destruction, o disco da estreia, em 1987. O primeiro foi Welcome to the Jungle. A essa altura, o público, que vaiara Axl e companhia por conta do horário de início do show – 1 hora, inadmissível para um domingo –, já estava cooptado. Os gritos com xingamentos ou "Eu trabalho amanhã!" foram rapidamente abafados. A impressão era de que o cancelamento de 14 de março, por conta do temporal no Rio, fez crescer ainda mais a expectativa pelo Guns (não havia sido divulgada estatística oficial até a madrugada de segunda, mas ao que tudo indica foram poucas as desistências depois de estabelecida a nova data).

 

A noite já havia começado bem, com Sebastian Bach, que esquentou a plateia com seus sucessos dos anos 80: In a Darkened Room, 18 and Life e I Remember You, seu corpinho de 22, apesar de confessar que tem 42 anos, completados sábado e celebrados com um "Happy Birthday to you" e as muitas frases em português.

Mais conteúdo sobre:
Guns N'RosesRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.