Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Grupos do Teatro Municipal ocupam SP

Orquestras, corais e balés vão atuar em igrejas e escolas

João Luiz Sampaio - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

01 Julho 2015 | 02h00

O maestro John Neschling e o prefeito de São Paulo Fernando Haddad lançaram na manhã desta terça-feira, 30, o projeto Municipal da Cidade. Ao longo do segundo semestre, corpos estáveis do Teatro Municipal - orquestras, corais, grupos de câmara e balé - farão 138 apresentações em espaços como terminais de ônibus, igrejas, cemitérios e escolas do município. No próprio teatro, serão realizadas apresentações para motoristas e cobradores de ônibus, e professores da rede pública terão acesso a ensaios abertos. O projeto foi aberto oficialmente ontem com uma apresentação de músicos da Orquestra Sinfônica Municipal, do Coral Lírico Municipal e de artistas do Balé da Cidade no Terminal Parque Dom Pedro, na região central da cidade.

“Os ingressos cobrados pelo Municipal são às vezes mais baratos do que um jogo de futebol ou mesmo de um cinema, mas só cabem 1.400 pessoas dentro do teatro. A ideia desse projeto é levar o teatro e seus grupos até o público, em espaços do cotidiano das pessoas”, disse Haddad. “Iniciativas como essas podem transformar as pessoas e, nesse sentido, também a cidade. E isso faz parte de um pedido meu para a Secretaria de Cultura de pensar em uma política permanente para a música na cidade, o que vai desembocar na criação de uma lei de fomento específica para a área, como já existe com o teatro, a dança e agora também com o cinema”, completou. 

As apresentações vão ocorrer nos terminais Parque Dom Pedro, Capelinha, Pirituba, Cidade Tiradentes e Sacomã; na Paróquia São Geraldo de Perdizes, Igreja Santa Teresinha, Capela do Colégio Sion, Igreja Imaculada Conceição e Paróquia do Santíssimo Sacramento; e no Cemitério da Consolação. Na Praça das Artes e no Municipal, serão realizados 60 concertos didáticos para crianças, com Pedro e o Lobo, de Prokofiev, e uma versão da ópera A Flauta Mágica, de Mozart. “O projeto se insere em uma nova ideia de cidade, uma cidade cada vez mais cultural, com menos carros, menos violência e mais arte”, disse o secretário de Cultura Nabil Bonduki. 

O Municipal na Cidade é uma parceria entre as secretarias de Transporte, Cultura e Educação - com esta última, também foi firmado acordo que vai criar 500 corais nas escolas da rede pública, com professores e maestros capacitados pelo Municipal. Segundo o diretor-geral da Fundação Teatro Municipal, José Luiz Herência, o projeto não vai significar novos custos para a instituição. “Nesse momento de crise, nossa proposta tem sido justamente a de aumentar o número de apresentações, mas utilizando os recursos que já existem, com participação de nossos corpos estáveis.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.