Gravado primeiro CD do 3º milênio

Não houve só mamães que planejaram o nascimento de seus rebentos nos primeiros minutos de 2001. Houve também quem decidisse passar a zero hora de hoje dentro do estúdio, gravando o primeiro CD do terceiro milênio, com direito a champanhe espocando, lentilha no prato e coro de cerca de 50 convidados. No momento da virada, os músicos Luiz Gayotto, Kleber Albuquerque, Madan e Élio Camalle, todos do selo Dabliú Discos, deram partida ao projeto UmdoUmdoUm - uma referência à data tão aguardada - no estúdio Xrbm, no Brooklin. Artistas com trabalhos individuais (cada um tem dois discos lançados), os amigos resolveram se unir para a empreitada. "Nosso trabalho tem muita coisa em comum, pode-se dizer que é uma mistura de pop com MPB. Todos tocam violão e cantam, e eu também faço percussão", conta Gayotto, de 35 anos. O show que se transformou em CD nasceu há seis meses. No repertório, quatro músicas de cada um e uma versão para Redemption Song, de Bob Marley. Com uma temporada no clube KVA, os músicos convidavam o público presente a participar da gravação. Para isso, abriram uma lista de inscrições. "Depois, a gente ligou para confirmar a presença", diverte-se Gayotto. Guerrilha musical - O estúdio foi escolhido a dedo. Geralmente usado para gravações de orquestra, a sala comportou todos os presentes. "Espero até que o som dos fogos de artifício tenha vazado para a gravação". Apesar do bom humor do projeto, o som do grupo é bastante intimista, e algumas letras são poemas musicados. "É uma celebração, uma festa, sem dúvida, mas é também uma guerrilha musical. Criamos fatos para chamar atenção para o nosso trabalho e também de músicos de nossa geração", explica Kleber Albuquerque. Os parentes dos músicos aprovaram a idéia, que chamaram de inusitada, mas poucos compareceram à gravação. "Meus parentes deram o maior apoio, mas estão todos na praia", ri Gayotto. E a empreitada ainda incluiu o Guinness Book, o livro dos recordes, que acusou o recebimento da proposta do grupo, mas não se pronunciou ainda. Mesmo assim, será difícil bater a marca dos músicos, pelo menos neste milênio. Das 17 canções que fizeram parte do show, 13 estarão no disco, que agora parte para a pós-produção. O grupo irá fazer ajustes necessários na sonoridade e o CD deverá sair em março, talvez o primeiro de uma série, se não houver ressaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.