JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Grande nome da nova geração, o pianista Cristian Budu faz recital solo

Ele criou o projeto Pianosofia, que leva recitais à casa das pessoas

João Luiz Sampaio, ESPECIAL PARA O ESTADO

28 Abril 2018 | 06h00

Quando, há cinco anos, o pianista Cristian Budu venceu o Concurso Clara Haskil, um dos mais importantes do mundo, na Suíça, suspeitou que muito mudaria - mas não tinha ideia de quanto. De lá para cá, percorreu o Brasil como solista das principais orquestras do País, sem abrir mão da música de câmara; gravou o primeiro disco, elogiado pela crítica internacional; casou-se, mudou-se para Berlim. E, em meio a uma agenda atribulada, faz neste domingo jornada dupla em São Paulo: de manhã, toca com a Orquestra Experimental de Repertório no Teatro Municipal e, à noite, oferece recital na Tupi or Not Tupi, abrindo série de concertos da casa de shows na Vila Madalena.

+++ Cristian Budu é um pianista em busca do lirismo e do público

“É interessante a ideia de poder tocar em um espaço como esse, estar junto de forma diferente com o público, apresentar obras e autores a pessoas que não têm necessariamente contato com esse tipo de música”, ele diz ao Estado. Foi por conta disso que, apesar de em um primeiro momento ter pensado em repertório que misturasse o erudito e o popular, acabou optando por Beethoven e Chopin. “São obras geniais e será interessante também poder conversar com o público sobre elas.”

+++ Falando de Música - Bons pianistas da nova safra

Budu nasceu em São Paulo, onde estudou na USP. Venceu em 2010 o Concurso Nelson Freire e mudou-se para os EUA, para estudar no New England Conservatory. Em 2013, a vitória no Clara Haskil abriu as portas do mercado internacional. Com o tempo, veio a mudança para Berlim. E o primeiro disco, com as Bagatelas de Beethoven (que a revista Gramophone considerou como uma das mais interessantes gravações recentes de obras do compositor) e os 24 prelúdios de Chopin (definidos pela revista como um dos dez melhores de todos os tempos).

+++ Gig Nova 3 mostra a nova safra da música instrumental

A presença de Budu, hoje com 30 anos, em uma nova série como a da Tupi or not tupi não é surpreendente. Boa parte de sua trajetória tem sido dedicada à defesa de novos espaços para a música clássica - e, em especial, a de câmara. Com esse objetivo criou o projeto Pianosofia, que leva recitais à casa das pessoas, reunindo músicos da nova geração em torno do prazer de fazer música e oferecê-la a plateias cada vez maiores. Não se trata só de um projeto musical. Talvez seja melhor falar em uma outra percepção do ato de fazer música. “Há uma infindável beleza em sentir cada músico tocando sua parte. A real música de câmara traz à tona esses valores artísticos e humanos. E é deles que tratamos no Pianosofia.”

Esse olhar humanista para o trabalho do músico é uma marca do intérprete que Budu se tornou - assim como a capacidade de revelar possibilidades de escutas novas para as peças que aborda. No Municipal, ele vai tocar, com regência de Jamil Maluf, o Concerto n.º 2 de Rachmaninov, talvez o mais célebre entre os concertos para piano e orquestra. “Há oito anos não toco esse concerto e percebo que meu olhar mudou. Sinto como se estivesse mergulhando em um mar do qual jamais vou conseguir sair. É um maremoto de ideias musicais. Mas, ao mesmo tempo, há uma arquitetura clara. Enquanto sou levado pela intensidade da partitura, me desafio a encontrar uma objetividade também no modo de recriá-la.”

Série quer criar espaços alternativos para clássicos

Há quatro anos, a produtora Jeanne de Castro participou da conferência Multiorquestra, dedicada a pensar caminhos para a música clássica. “Ali ouvi muito sobre a busca por novos espaços além da sala de concertos, vi que era uma preocupação em todo o mundo. E guardei aquela informação”, ela conta. Até que, no ano passado, com a inauguração da Tupi or Not Tupi, aquelas ideias voltaram à mente e ela resolveu criar, na casa de shows dedicada à música popular, a série de concertos Tupinambach.

“Por mais que se fale sempre sobre a ausência de limites na criação musical brasileira, na hora que você decide montar uma série de concertos em uma casa de shows você se dá conta da resistência, da estranheza que surge de ambos os lados", diz Jeanne. “O objetivo é recuperar o prazer da música ao vivo, oferecendo, em um clima intimista, outras escutas, outro contato entre o músico e o público.”

A série Tupinambach não é um caso isolado na busca por novos espaços para os clássicos. No segundo semestre do ano passado, a pesquisadora Camila Frésca e a pianista Karin Fernandes idealizaram uma série no JazzB, em São Paulo. Também em 2017, a Filarmônica de Goiás levou uma apresentação a um pub de Goiânia.

Para Camila, a música de câmara é flexível e adaptável a vários contextos. “Há uma tentativa de recuperar as origens dessa música, o prazer da fruição que era feita em casa. Não se trata de questionar a validade da sala de concerto ou menosprezar a complexidade que essa música exige. Mas de estabelecer um processo de escuta marcado pelo prazer e pela leveza.”

CRISTIAN BUDU

Teatro Municipal. Pça. Ramos de Azevedo, s/nº; 3397-0327. Com a Orquestra Experimental de Repertório. Dom., 12h. R$ 10 a R$

20.

Tupi or Not Tupi. Rua Fidalga, 360, tel. 3813-7404. Dom., 20h. R$ 80

Mais conteúdo sobre:
Cristian Budu música erudita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.