Paul Buck/Reuters
Paul Buck/Reuters

Grammy terá corte de 31 categorias em 2012

Organizadores afirmam que mudança vem sendo planejada desde 2009

Estadão.com.br, com informações da Reuters

06 Abril 2011 | 16h06

O Grammy terá seu maior corte em 53 anos de história, com 31 categorias excluídas na premiação do ano que vem. O anúncio foi feito por organizadores nesta quarta-feira, 6. No total, restarão 78 categorias. As principais, álbum, gravação, canção do ano e artista revelação, serão mantidas.

Alguns gêneros foram misturados em categorias mais abrangentes, enquanto outras serão excluídas definitivamente. A junção de artistas masculinos com femininos e artista solo e grupos acontece em todos os estilos. As categorias de metal e hard rock agora estão unidas.

O R&B foi o estilo que mais sofreu cortes, com número de prêmios reduzido a quatro. A categoria melhor álbum de R&B contemporâneo será unificada com a de melhor álbum de R&B. Os prêmios de melhor performance para artista masculino, feminino e de grupo foram transformados em melhor performance de R&B. O Rap sofreu apenas um corte, na unificação entre melhor performance solo e de grupo em uma única categoria.

Pop, rock e country não terão mais prêmio de performance instrumental. Os prêmios de música havaiana, nativa e zydeco (espécie de folk) e cajun devem fazer parte da mesma categoria, a de álbum de música americana nativa.

Representantes da premiação afirmam que as mudanças fazem parte de uma avaliação que começou em 2009. Uma outra regra ainda pode alterar o quadro das premiações.. Se uma categoria receber menos de 25 inscrições durante o processo de eleição, ela será cortada naquele ano. Se o mesmo acontecer por três anos seguidos, o corte deve ser permanente. Se uma categoria tiver entre 25 e 39 candidatos, apenas três serão indicados - normalmente cinco artistas disputam cada prêmio.

O Grammy Awards acontece normalmente em fevereiro. A data da 54ª edição ainda não foi anunciada.

No ano passado, Beyoncé recebeu seis prêmios, quebrando o recorde feminino de premiação em um mesmo ano. O álbum do ano foi para os canadenses do Arcade Fire.

Mais conteúdo sobre:
Grammypremiação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.