Grammy impulsiona carreira de India.Arie

Alicia Keys já havia atraído atenção atenção aoliderar as indicações do American Music Awards. Agora uma outrajovem cantora e compositora negra dos Estados Unidos abre espaço no mundo do pop: India.Arie. Indicada a sete Grammys,incluindo melhor disco, por seu trabalho de estréia, AcousticSoul, a estrela de 25 anos se confirma como um dos grandestalentos atuais e reforça o mercado de neo-soul no país.India tem vários pontos em comum com Alicia Keys, mas asonoridade das duas é bem distinta. Juntas, elas não apenasmostram o poder do mercado black norte-americano, como confirmama substituição do pop adolescente de Britney Spears e companhiapor música de qualidade.Assim como a "concorrente", a cantora começou a seinteressar pela música quando ainda era criança e ganhou grandeapoio da família. Nascida em Detroit e fã dos artistas da Motown, ela acabou sendo contratada pela lendária gravadora depois dese apresentar em um dos palcos alternativos da turnê Lilith Fair, em 1999. Multi-instrumentista, ela escreveu e co-produziu todasas faixas de Acoustic Soul e ainda envolveu todos osparentes no lançamento do trabalho.O público jovem passou a conhecer a nova estrela porconta do clipe da faixa batizada Video. A faixa fez sucesso na MTV norte-americana, mas não chegou a entrar na lista dos 20 mais executados da Billboard, daí a surpresa da imprensa pelas sete indicações ao Grammy.A presença como favorita no prêmio mais importante damúsica mundial, é claro, garante um ótimo status a India.Arie.Ela concorre aos prêmios de melhor artista, além de gravação doano e música do ano (por Video). A atenção que o Grammy devegerar pode levar a cantora a entrar também no patamar de vendasde Alicia Keys, que já teve mais de 4 milhões de unidadesvendidas de seu disco Songs in A Minor nos Estados Unidos.Para os fãs da nova geração black (que inclui nomes comoErykah Badu, Maxwell, Eagle-Eye Cherry e Macy Gray), AcousticSoul é indispensável. Gravado ao longo de um ano e meio, odisco tem ótimos momentos, como a faixa Wonderful, umtributo a Stevie Wonder, de quem India é fã confessa, e asromânticas I See God in You, Brown Skin e Ready ForLove.Na produção das faixas, estão influências de rhythm &blues dos anos 60 e, claro, do hip hop. "Mas não defino o hiphop da mesma maneira que as gravadoras definem", diz a cantora."Acho que ele está presente em minha música porque procuro umaexpressão verdadeira de minha vida em meus trabalhos, assim comoos artistas de hip hop."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.