Matt Sayles/AP
A cantora Beyoncé durante apresentação no Grammy de 2014 Matt Sayles/AP

A cantora Beyoncé durante apresentação no Grammy de 2014 Matt Sayles/AP

Grammy 2021: Cinco pontos relevantes a serem observados

Evento da música será realizado neste domingo, 14, com apresentação comediante Trevor Noah; veja lista com principais indicados

AFP , Redação

Atualizado

A cantora Beyoncé durante apresentação no Grammy de 2014 Matt Sayles/AP

A Acadêmia de Gravação que entrega os prêmios Grammy convidou os músicos mais influentes da indústria para se apresentarem em mais uma cerimônia forçada a se tornar virtual, a fim de atrair uma audiênica maior.

Aqui está um guia para a cerimônia, que será apresentada pelo comediante Trevor Noah e mesclará apresentações ao vivos e pré gravadas:

Mulheres dominam a cena 

Beyoncé lidera a premiação com nove indicações, apesar de não ter lançado álbum ano passado, seguida por Taylor Swift e Dua Lipa, com seis indicações cada.

Além disso, a cantora de blues/rock Brittany Howard - mais conhecida como a voz principal da banda Alabama Shakes - concorre em cinco categorias depois de lançar seu primeiro álbum solo, Jaime.

E, pela primeira vez, a categoria de Melhor Performance de Rock é composta exclusivamente por mulheres: Fiona Apple, Phoebe Bridgers, o grupo de irmãs Haim, Howard, Grace Potter e Big Thief.

Espera-se que a rapper Meghan Thee Stallion triunfe: ela foi indicada em quatro categorias, incluindo Melhor Revelação - onde seis dos oito indicados são mulheres.

Mea culpa para Beyoncé? 

Com 79 indicações no total, Beyoncé é a artista feminina mais indicada da história do Grammy. Ela está empatada com Paul McCartney e tem apenas uma indicação a menos que seu marido, Jay-Z, e Quincy Jones.

Mas a cantora de 39 anos - cuja arte, mensagem, inovações de negócios e presença na cultura pop marcaram a indústria - perdeu repetidamente nas maiores categorias.

 

Depois de prometer por anos reconhecer mais diversidade na premiação, a Acadêmia pode pagar uma dívida a Beyoncé, que concorre nas categorias gravação e canção do ano com Black Parade e também recebeu indicações por sua colaboração com Megan Thee Stallion no remix de Savage.

No entanto, ainda não se sabe se Beyoncé vai participar da gala, virtualmente ou pessoalmente.

Performances pandêmicas

O evento, em sua maioria virtual, promete talentos de primeira linha, recrutados para tentar atrair telespectadores após um dos anos mais devastadores para a indústria.

Megan Thee Stallion e Cardi B se apresentarão na cerimônia, embora não se saiba se elas cantarão o polêmico hit de verão WAP - que Cardi B irá submeter para consideração ao Grammy no ano que vem.

 

Taylor Swift vai se apresentar na gala pela primeira vez desde 2016. Além delas se apresentam também Billie Eilish, vencedora das principais categorias no ano passado, Bad Bunny, Roddy Ricch, Dua Lipa, Post Malone e a popular banda sul-coreana BTS.

Raridades

Pouco menos de um mês após o fim de sua caótica candidatura presidencial, Kanye West foi indicado ao prêmio Grammy de 2021 em uma categoria longe do rap. O artista está agora na disputa de Melhor Álbum de Música Cristã Contemporânea em reconhecimento à sua ode evangélica Jesus Is King.

A categoria Melhor Álbum de Palavras Faladas, que tem Michelle e Barack Obama  entre os vencedores anteriores, este ano inclui os jornalistas Rachel Maddow e Ronan Farrow e o baixista Flea, do Red Hot Chili Peppers.

Vencedores póstumos

A premiação de 2021 inclui várias indicações póstumas, incluindo duas para o cantor e compositor John Prine, que morreu de complicações causadas pelo coronavírus em abril.

Leonard Cohen foi indicado ao prêmio de Melhor Álbum Folk por Thanks for the Dance, coletânea que seu filho finalizou em seu nome.

Já o rapper Pop Smoke, baleado e morto em Hollywood Hills em fevereiro de 2020, recebeu uma indicação de Melhor Performance de Rap por Dior. A categoria conta anda com outra indicação postuma: Nipsey Hussle com Deep Reverence, colaboração com Big Sean.

 

Principais indicados aos prêmios Grammy de 2021

 

Álbum do ano 

  • Jhene Aiko, Chilombo
  • Black Pumas, Black Pumas (Deluxe Edition) 
  • Coldplay, Everyday Life
  • Jacob Collier, Djesse Vol. 3 
  • Haim, Women In Music Pt. III
  • Dua Lipa, Future Nostalgia
  • Post Malone, Hollywood's Bleeding
  • Taylor Swift, Folklore

 

Gravação do ano (melhor canção)

  • Beyoncé, Black Parade
  • Black Pumas, Colors 
  • DaBaby featuring Roddy Ricch, Rockstar 
  • Doja Cat, Say So
  • Billie Eilish, Everything I Wanted
  • Dua Lipa, Don't Start Now
  • Post Malone, Circles
  • Megan Thee Stallion com Beyoncé, Savage

     

    Música do ano (composição)

  • Beyoncé, Denisia Andrews, Stephen Bray, Shawn Carter, Brittany Coney, Derek James Dixie, Akil King, Kim "Kaydence" Krysiuk e
  • Rickie "Caso" Tice, Black Parade 
  • Roddy Ricch e Samuel Gloade, The Box
  • Taylor Swift e Aaron Dessner, Cardigan
  • Post Malone, Louis Bell, Adam Feeney, Kaan Gunesberk e Billy Walsh, Circles
  • Dua Lipa, Caroline Ailin, Ian Kirkpatrick, Dua Lipa e Emily Warren, Don't Start Now
  • Billie Eilish e Finneas O'Connell, Everything I Wanted 
  • HER, Dernst Emile II e Tiara Thomas, I Can't Breathe
  • Julia Michaels e JP Saxe, If The World Was Ending

 

Melhor artista revelação

  • Ingrid Andress
  • Phoebe Bridgers
  • Chika
  • Noah Cyrus
  • D Smoke
  • Doja Cat
  • Kaytranada
  • Megan Thee Stallion

 

 

Melhor vídeo musical

  • Beyoncé, Brown Skin Girl
  • Future, featuring Drake, Life Is Good
  • Anderson.Paak,

    Lockdown

  • Harry Styles, Adore You
  • Woodkid, Goliath

 

 

Melhor álbum de rap

  • D Smoke, Black Habits
  • Freddie Gibbs & The Alchemist, Alfredo
  • Jay Electronica, A Written Testimony
  • Nas, King's Disease
  • Royce Da 5'9", The Allegory

 

 

Melhor álbum de rock

  • Fontaines DC, A Hero's Death
  • Michael Kiwanuka, Kiwanuka
  • Grace Potter, Daylight
  • Sturgill Simpson, Sound & Fury
  • The Strokes, The New Abnormal

 

 

Melhor álbum de pop vocal

  • Justin Bieber, Changes
  • Lady Gaga, Chromatica
  • Dua Lipa, Future Nostalgia
  • Harry Styles, Fine Line
  • Taylor Swift, Folklore

 

 

Melhor álbum de música alternativa

  • Fiona Apple, Fetch the Bolt Cutters
  • Beck, Hyperspace
  • Phoebe Bridgers, Punisher
  • Brittany Howard, Jaime
  • Tame Impala, The Slow Rush

 

 

Melhor álbum de música mundial

  • Antibalas, Fu Chronicles
  • Burna Boy, Twice as Tall
  • Bebel Gilberto, Agora
  • Anoushka Shankar, Love Letters
  • Tinariwen, Amadjar

 

Melhor álbum pop latino

  • Bad Bunny, YHLQMDLG  
  • Camilo, Por primera vez  
  • Kany García, Mesa para dos  
  • Ricky Martin, Pausa  
  • Debi Nova, 3:33

 

Melhor álbum latino de rock, urbano ou alternativo

  • Bajofondo, Aura  
  • Cami, Monstruo
  • Cultura Profética, Sobrevolando 
  • Fito Páez, La conquista del espacio
  • Lido Pimienta, Mis Colombia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Grammy das 'categorias profundas' guarda as maiores descobertas

Jazz latino, música global e folk tradicional são algumas das 83 sessões que irão receber prêmios na cerimônia que será transmitida dia 14, a partir das 21h

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 20h00

São 83 categorias para, teoricamente, contemplar quase toda a cadeia produtiva da música industrial que circula em território norte-americano. A 63.ª edição do Grammy, que será exibida na noite deste domingo, 14, a partir das 21h (horário de Brasília) pelo canal pago TNT (e também pelo canal da emissora no YouTube), será a primeira gravada sem plateia. Sinal dos tempos. Assim como o Oscar e o Globo de Ouro, ele também é realizado depois de um adiamento de datas por causa das restrições à Covid-19. 

O apresentador será Trevor Noah, comediante, locutor e ator sul-africano, atual condutor do programa The Daily Show. A longa noite terá, além das clássicas aberturas de envelopes, shows de artistas como Post Malone, Harry Styles, Taylor Swift, Dua Lipa, Billie Eilish, Cardi B e os sul-coreanos do BTS.

É curioso perceber que há um Grammy visível, com vencedores que estarão nos jornais de segunda embalando os pequenos gramofones dourados nos braços, e um outro que ninguém vê. Do mainstream, não há neste ano, talvez pela pouca exposição de música pop no mundo enlutado, apostas em concorrentes avassaladores. Alguns, como a militante veterana Beyoncé (com Black Parade), o rapper doce Post Malone (com Circles) e a resistente Billie Eilish (com Everything I Wanted), disputam a gravação do ano com gente mais nova, como a exuberante e hiper sexualizada Doja Cat, 25 anos, que fez da canção Say So um brilhante tributo setentista, e com a banda Black Pumas, que fez o mesmo de toda a sua existência. O Grammy é um festival para jovens com idades entre 15 e 25 anos que não sabem que estão vivendo nos anos 70.

Ainda na superfície, a categoria Álbum do Ano mistura história vivida pelo Grammy com previsões de futuro para servir um prato que os sulistas chamariam de gumbo – quente e saboroso, desde que você ache camarões. Um dos frescores tem mais imagem do que originalidade sonora. Jhené Aiko disputa com o R&B eletro e pasteurizado do álbum Chilombo. Estão a seu lado o Black Pumas, que lançou uma versão deluxe de seu já velho disco de 2019 para espertamente estar na premiação de 2021, e o Coldplay, com o inebriante álbum Everyday Life, um diamante que não deve ganhar porque o Grammy não faz flashbacks – se fizer, nomes novos não são consagrados e a indústria para.

O jazzista peixe fora d’água, Jacob Coulier, que não deve ganhar por ser jazzista demais mesmo quando quer ser pop, está lá com o super produzido álbum Djesse Vol 3. A deliciosa e interessantíssima banda indie pop formada por três irmãs de família judaica chamada Haim e seu terceiro álbum, Women in Music Pt. III também estão, assim como a cantora Dua Lipa, com Future Nostalgia, o rapper pop Post Malone, com Hollywood’s Bleeding, e a incansável Taylor Swift, com Folklore. Uma aposta? Impossível neste ano de tantos alvos possíveis.

Brasileiros submersos. Mas vamos ao subterrâneo do Grammy. É lá que habitam as criaturas existentes para dar algum estofo histórico à premiação. Dois brasileiros aparecem ilhados em segmentações diferentes. Concorrendo ao Melhor Álbum de Jazz Latino, o violonista de São Paulo radicado em Nova York, Chico Pinheiro, pode sair consagrado por City Of Dreams. É um álbum primoroso, vibrante, com temas como Long Story Short, com o saxofonista Chris Potter, e o fusion Invisible Lights. Alguns dos “jazzistas latinos” concorrentes pesam ouro: o pianista Gonzalo Rubalcaba com a fabulosa cantora e atriz também cubana Aymee Nuviola em Viento y Tiempo, gravado ao vivo no Blue Note de Tóquio, a energética Afroperuvian Jazz Orchestra com o álbum Tradiciones, e o conguero norte-americano de origem latina, Poncho Sanchez, com Trane’s Delight.

Filha de João, Bebel Gilberto, também residente em Nova York, aparece na categoria Melhor Álbum de Música Global. “Música global” veio substituir o genérico “world music”, termo que se tornou uma piada entre os músicos, claramente criado por quem não entendia nada do que estava ouvindo. Música global segue sendo tão descompromissado quanto música do mundo, mas é também onde se faz as maiores viagens. Ouvir os colegas de sessão de Bebel Gilberto, mais do que ouvir a própria Bebel em estado de sonolência e torpor cantando em Agora, traz deleites e descobertas a quem mergulhar nos meandros do Grammy profundo. Ao lado de Agora, um disco de brasilidade chapada e futurista, estão os afrobeaters da banda norte-americana Antibalas, com Fu Chronicles; o rap afro-latino do nigeriano Burna Boy, com Twice As Tall; a indiana sitarista e cantora Anoushka Shankar, filha de Ravi e irmã de Norah Jones, com Love Letters; e os bluesmen do deserto do Saara, o sensacional grupo de blues do Mali chamado Tinariwen, com o álbum Amadjar. Chick Corea, no ano de sua morte, aparece indicado em suas categorias relacionadas ao jazz. Sua vitória não será apenas memorialística. 

Principais categorias:

Gravação do Ano

Black Parade

(Beyoncé)

Colors

(Black Pumas)

Rockstar

(DaBaby Featuring 

Roddy Ricch)

Say So

(Doja Cat)

Everything I Wanted

(Billie Eilish)

Don’t Start Now

(Dua Lipa)

Circles

(Post Malone)

Savage

(Megan Thee 

Stallion  

Featuring 

Beyoncé) 

 

Álbum do Ano

Chilombo

(Jhené Aiko)

Black Pumas (edição deluxe)

(Black Pumas)

Everyday Life

(Coldplay)

Djesse Vol 3

(Jacob Collier)

Women In Music PT. III

(Haim)

Future Nostalgia

(Dua Lipa)

Hollywood's Bleeding

(Post Malone)

Folklore

(Taylor Swift)

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Grammy 2021: Confira os principais indicados aos prêmios

Mais importante prêmio da indústria da música terá sua edição 2021 realizada no dia 31 de janeiro

AFP, Redação

25 de novembro de 2020 | 10h30

Mais importante prêmio da indústria da música, o Grammy terá sua edição 2021 realizada no dia 31 de janeiro, em Los Angeles, tendo como o comediante Trevor Noah como apresentador.

A cantora Beyoncé liderou as indicações para os prêmios Grammy 2021, com nove nomeações, à frente de Dua Lipa, Taylor Swift e Roddy Ricch, que foram indicados seis vezes cada. Swift e Dua Lipa vão competir pelo principal prêmio - álbum do ano - com Post Malone, Coldplay, Haim, Jacob Collier, Black Pumas e Jhene Aiko.

Confira os indicados às principais categorias: 

Álbum do ano

  • Jhene Aiko, Chilombo
  • Black Pumas, Black Pumas (Deluxe Edition) 
  • Coldplay, Everyday Life
  • Jacob Collier, Djesse Vol. 3 
  • Haim, Women In Music Pt. III
  • Dua Lipa, Future Nostalgia
  • Post Malone, Hollywood's Bleeding
  • Taylor Swift, Folklore

Gravação do ano (melhor canção)

  • Beyoncé, Black Parade
  • Black Pumas, Colors 
  • DaBaby featuring Roddy Ricch, Rockstar 
  • Doja Cat, Say So
  • Billie Eilish, Everything I Wanted
  • Dua Lipa, Don't Start Now
  • Post Malone, Circles
  • Megan Thee Stallion com Beyoncé, Savage
  •  

Música do ano (composição)

  • Beyoncé, Denisia Andrews, Stephen Bray, Shawn Carter, Brittany Coney, Derek James Dixie, Akil King, Kim Kaydence Krysiuk e Rickie Caso Tice, Black Parade 
  • Roddy Ricch e Samuel Gloade, The Box
  • Taylor Swift e Aaron Dessner, Cardigan
  • Post Malone, Louis Bell, Adam Feeney, Kaan Gunesberk e Billy Walsh, Circles
  • Dua Lipa, Caroline Ailin, Ian Kirkpatrick, Dua Lipa e Emily Warren, Don't Start Now
  • Billie Eilish e Finneas O'Connell, Everything I Wanted 
  • HER, Dernst Emile II e Tiara Thomas, I Can't Breathe
  • Julia Michaels e JP Saxe, If The World Was Ending

Melhor artista revelação

  • Ingrid Andress
  • Phoebe Bridgers
  • Chika
  • Noah Cyrus
  • D Smoke
  • Doja Cat
  • Kaytranada
  • Megan Thee Stallion

Melhor vídeo musical

  • Beyoncé, Brown Skin Girl
  • Future, featuring Drake, Life Is Good
  • Anderson.Paak, Lockdown
  • Harry Styles, Adore You
  • Woodkid, Goliath

Melhor álbum de rap

  • D Smoke, Black Habits
  • Freddie Gibbs & The Alchemist, Alfredo
  • Jay Electronica, A Written Testimony
  • Nas, King's Disease
  • Royce Da 5'9, The Allegory

Melhor álbum de rock

  • Fontaines DC, A Hero's Death
  • Michael Kiwanuka, Kiwanuka
  • Grace Potter, Daylight
  • Sturgill Simpson, Sound & Fury
  • The Strokes, The New Abnormal

Melhor álbum de pop vocal

  • Justin Bieber, Changes
  • Lady Gaga, Chromatica
  • Dua Lipa, Future Nostalgia
  • Harry Styles, Fine Line
  • Taylor Swift, Folklore

Melhor álbum de música alternativa

  • Fiona Apple, Fetch the Bolt Cutters
  • Beck, Hyperspace
  • Phoebe Bridgers, Punisher
  • Brittany Howard, Jaime
  • Tame Impala, The Slow Rush

Melhor álbum de música mundial

  • Antibalas, Fu Chronicles
  • Burna Boy, Twice as Tall
  • Bebel Gilberto, Agora
  • Anoushka Shankar, Love Letters
  • Tinariwen, Amadjar

Melhor álbum pop latino

  • Bad Bunny, YHLQMDLG 
  • Camilo, Por primera vez 
  • Kany García, Mesa para dos 
  • Ricky Martin, Pausa 
  • Debi Nova, 3:33 

Melhor álbum latino de rock, urbano ou alternativo 

  • Bajofondo, Aura 
  • Cami, Monstruo
  • Cultura Profética, Sobrevolando 
  • Fito Páez, La conquista del espacio
  • Lido Pimienta, Mis Colômbia

Curiosidade. Essa será a 63ª edição da premiação, que surgiu nos anos 1950, e tanto seu nome quanto o formato da estatueta têm como inspiração o gramofone, aquele antigo toca-discos que foi inventado lá no fim do século 19 e que só se vê em museus e filmes, ou com algum colecionador.

 

Tudo o que sabemos sobre:
músicaGrammy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

BTS apresenta hit 'Dynamite' no Grammy: 'Não conseguimos acreditar'

Grupo sul-coreano lançou a música durante a quarentena e ganhou sua primeira indicação ao prêmio

Mesfin Fekadu, AP

13 de março de 2021 | 05h00

NOVA YORK - Preso em casa durante a pandemia, o BTS compôs Dynamite e lançou a música como um presente para seus fãs em quarentena. Agora, o presente voltou para eles – na forma de sua primeira indicação ao Grammy.

“Muitas pessoas ficaram tristes e abatidas por causa da situação da covid e nossa sugestão foi meio que animar (todo mundo)”, disse Jin em entrevista esta semana para a Associated Press.

“Era para estarmos em turnê no mundo todo. Não tinha nenhum plano para lançar um single como Dynamite”, explicou RM. “Mas Dynamite nos deu um grande sucesso na Coreia e, é claro, uma indicação ao Grammy, então, você sabe, a vida é mesmo muito interessante”.

Quando foi lançada, no ano passado, Dynamite se tornou o primeiro hit do BTS na parada Billboard Hot 100. Depois de anos aparecendo nos Top 40 e lotando arenas e estádios, o coletivo de sete membros agora está competindo pela melhor performance de duo/ grupo pop que se apresentará na cerimônia de domingo.

BTS é o primeiro grupo de K-pop a competir no Grammy. “É realmente difícil expressar em palavras”, disse Jimin sobre a indicação. “Até agora não conseguimos acreditar que fomos indicados e vamos nos apresentar no Grammy. Então, estamos muito gratos. Estamos honrados”.

O sucesso explosivo do BTS irá enfrentar outro sucesso, Rain on Me, de Lady Gaga e Ariana Grande, além de hits do Top 10 como Taylor Swift e Bon Iver em Exile e Intentions, de Justin Bieber e Quavo. Un Dia, de J. Balvin, Bad Bunny e Dua Lipa, que liderou a parada de canções Hot Latin da Billboard, completa os cinco indicados.

“Sempre ouço Rain on Me. É muito bom ouvir essa música na esteira. Foi um sucesso. Foi um incêndio no ano passado”, disse RM. “E, claro, Intentions e Exile são muito loucas. Além de J. Balvin e Dua Lipa”.

“Estamos nervosos e, na verdade, francamente, não esperamos (ganhar), porque não quero ficar desapontado, todos os grandes nomes estão lá: Lady Gaga, Taylor, Bieber. Então, estamos meio confusos. É tipo uma montanha-russa, para frente e para trás, para cima e para baixo”.

Sua apresentação no Grammy marcará sua segunda vez na premiação principal – eles se apresentaram com Lil Nas X quando ele cantou Old Town Road no ano passado. A performance de domingo segue a recente exibição de MTV Unplugged Presents: BTS, que trouxe o BTS fazendo cover da popular balada de rock do Coldplay, Fix You.

Num tweet – em coreano – o Coldplay chamou a versão do BTS de “linda”. “Eles vieram para a Coreia uns três anos atrás para um grande show, e eu e J-Hope fomos ao show deles e ouvimos Fix You e significou muito para a gente”, lembrou RM. “Espero que possamos trabalhar com eles, ou talvez só nos encontrar e tomar um chá ou café ou qualquer coisa. Nós amamos o Coldplay”.

O IFPI, organização que representa a indústria fonográfica global, disse na semana passada que o BTS foi a banda mais vendida de 2020.

Atualmente, eles estão trabalhando em novas músicas – como grupo e também solistas. Eles disseram que a indicação ao Grammy cria alguma pressão para o próximo lote de canções que eles estão produzindo, mas que não estão deixando o sucesso subir à sua cabeça. 

“Nós estamos tentando manter o pé no chão e continuar fazendo o que estamos fazendo”, disse RM. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Relegadas durante muito tempo no Grammy, mulheres do rock conquistam seu espaço

Pela primeira vez, a categoria de melhor interpretação rock - introduzida em 2012 - tem apenas mulheres indicadas: Fiona Apple, Phoebe Bridgers, o grupo das irmãs Haim, Brittany Howard, Grace Potter e Big Thief

Maggy Donaldson, AFP

11 de março de 2021 | 17h44

NOVA YORK, EUA - Durante muito tempo, as categorias dedicadas ao rock no Grammy eram dominadas pela testosterona, mas este ano as mulheres tomaram conta do microfone. 

A mudança será evidente na cerimônia de entrega da premiação no próximo domingo, poucos anos depois do ex-presidente da Recording Academy Neil Portnow ter sido criticado por afirmar que as mulheres deveriam "dar um passo à frente" para alcançar uma representação justa na indústria da música. 

Pela primeira vez, a categoria de melhor interpretação rock - introduzida em 2012 - tem apenas mulheres indicadas: Fiona Apple, Phoebe Bridgers, o grupo das irmãs Haim, Brittany Howard, Grace Potter e Big Thief, a banda liderada por Adrianne Lenker.

 

 

Lenker, Apple, Howard e Bridgers também estão na disputa pela melhor canção de rock, enquanto as três últimas também foram indicadas a melhor álbum alternativo. Potter soma outra indicação a melhor álbum de rock.

As mulheres moldaram a evolução do rock, como foi o caso da pioneira do blues Big Mama Thornton, a primeira artista a gravar Hound Dog, canção seminal e muito associada a Elvis Presley.

Mas desde a metade do século XX, a imagem do gênero foi monopolizada pelos homens, afirma Evelyn McDonnell, pesquisadora especializada em cultura pop, música e gênero.

"Você realmente via a divisão: o que os rapazes faziam com as guitarras era rock, e o que as garotas com penteados faziam era Motown ou pop", afirma a professora da Universidade Loyola Marymount. "Existe toda uma forma sexista na qual o rock é definido como homens brancos com guitarras".

 

 

Pequenos passos

As mulheres, no entanto, sempre foram muito influentes no gênero musical: Patti Smith, Kim Gordon, Stevie Nicks e Debbie Harry são apenas algumas referências. 

Fionna Apple viu seu álbum de 2020 Fetch The Bolt Cutters aclamado pela crítica - o site Pitchfork o considerou uma "obra-prima".

 

 

Durante grande parte da história do Grammy, os prêmios de rock foram divididos por gênero, com exceção de alguns anos em que a Academia alegou falta de interpretações femininas.

Desde a cerimônia de 2012, a Academia eliminou por completo as distinções, tanto no rock, como no pop, R&B e country.

Desde então, apenas uma mulher venceu na categoria de melhor interpretação de rock: Brittany Howard, que venceu como cantora do grupo Alabama Shakes em 2015.

A Academia foi acusada durante muito tempo de priorizar a arte de homens brancos, mas nos últimos anos parece ter dado pequenos passos de mudança.

E não apenas no rock: em 2021 as mulheres também dominam as categorias da música country, gênero tradicionalmente considerado conservador e machista.

Quatro mulheres disputam a categoria de melhor álbum country, ao lado de um grupo misto.

E o mundo do rap, estereotipado durante muito tempo como um clube de homens, também foi abaldo pela ascensão de várias mulheres.

Cardi B venceu na categoria álbum de rap em 2019 e Megan Thee Stallion foi indicada em quatro categorias este ano, incluindo artista revelação.

 

 

Um longo caminho a percorrer

Apesar dos avanços, a poucos dias da cerimônia deste ano - que acontecerá em grande parte de maneira virtual devido à pandemia -, um novo estudo da Universidade do Sul da Califórnia mostra que a presença da mulher no setor ainda encontra muitas dificuldades. 

As artistas femininas representaram quase 20% dos maiores sucessos da Billboard em 2020, participação um pouco menor que os 22,5% de 2019. Dos quase 2.000 artistas que lançaram as 900 canções que integram a lista eram pelo menos quatro homens para cada mulher. 

O estudo também examinou as indicações ao Grammy entre 2013 e 2021: dos 1.359 indicados apenas 13,4% eram mulheres, mas a proporção de indicadas cresceu significativamente de 2020 para 2021, a pouco mais de 20%.

Mas os escândalos que sacudiram a Academia recentemente também afetaram seus esforços de mudança de imagem: ano passado sua primeira presidente, Deborah Dugan, foi demitida por suposto assédio moral. Ela afirma que foi afastada por suas queixas por supostas irregularidades nas votações e denúncias de assédio sexual.

A Academia anunciou um estudo em conjunto com uma universidade para analisar a representação da mulher na indústria, com dados destinados a melhorar a prestação de contas e facilitar reformas.

Tudo o que sabemos sobre:
Grammymúsicaindústriarock

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Grammy 2021: Harry Styles e Taylor Swift vão se apresentar na cerimônia; veja lista completa

Evento de premiação ocorre no próximo domingo, 14, após ser adiado devido à pandemia de covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2021 | 17h17

A organização The Recording Academy anunciou neste domingo, 7, a lista completa de artistas que vão se apresentar na cerimônia de premiação do Grammy, que ocorre no próximo domingo, 14. O evento reconhece anualmente os melhores profissionais da indústria da música.

Harry Styles, Taylor Swift, Cardi B e o grupo de k-pop BTS estão entre os nomes selecionados para o show. De acordo com os organizadores, eles estarão reunidos, ainda que separados de forma segura devido à pandemia, para cantar e tocar "como uma comunidade e celebrar a música que nos une".

Além disso, a premiação vai prestar uma homenagem aos artistas locais independentes que foram afetados pela crise sanitária. "De bartenders a gerentes de bilheteria, aqueles que trabalham no dia a dia no Troubadour (Los Angeles), no Hotel Café (Los Angeles), no Apollo Theatre (Nova York) e no Station Inn (Nashville) apresentarão várias categorias ao longo da noite", disse a organização.

A cerimônia do Grammy 2021 seria realizada em 31 de janeiro, mas no começo daquele mês o evento foi suspenso devido ao aumento de casos do novo coronavírus na região em que estava previsto para ocorrer, em Los Angeles. Confirmada para o próximo dia 14, ela será apresentada pelo comediante Trevor Noah.

Indicados ao Grammy 2021

A lista de indicados aos prêmios foi anunciada em novembro do ano passado, com a cantora Beyoncé liderando a preferência, com nove nomeações.

Já Dua Lipa, Taylor Swift e Roddy Ricch foram indicados seis vezes cada. As duas cantoras, inclusive, disputam o principal prêmio - álbum do ano - com Post Malone, Coldplay, Haim, Jacob Collier, Black Pumas e Jhene Aiko.

Artistas vão se apresentar no Grammy

As performances na cerimônia de premiação contarão com os seguintes artistas:

Bad Bunny

Black Pumas

Cardi B

BTS

Brandi Carlile

DaBaby

Doja Cat

Billie Eilish

Mickey Guyton

Haim

Brittany Howard

Miranda Lambert

Lil Baby

Dua Lipa

Chris Martin

John Mayer

Megan Thee Stallion

Maren Morris

Post Malone

Roddy Ricch

Harry Styles

Taylor Swift

Tudo o que sabemos sobre:
Taylor SwiftGrammyHarry Stylesmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.