Mario Anzuoni/ Reuters
Mario Anzuoni/ Reuters

Grammy 2020: 'Estou com meu coração partido na casa que Kobe Bryant construiu', diz Alicia Keys

Homenagem ao ex-jogador de basquete abriu a cerimônia que está sendo realizada no Staples Center, arena do time Lakers

Gabriela Marçal, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2020 | 22h50

A cerimônia do Grammy de 2020 começou homenageando o ex-atleta Kobe Bryant, que morreu neste domingo, 26, em um acidente de helicóptero na Califórnia. O clima de luto é mais do que justificado, além da data, o principal prêmio da música americana ocorre no Staples Center, ginásio do time Lakers, em que o jogador de basquetebol atuou durante anos.

Antes de fazer a primeira apresentação da noite, Lizzo disse "Esta é para Kobe" e começou a cantar com voz grave e entremeada por pausas “Truth Hearts”.

Logo após, Alicia Keys iniciou oficialmente a cerimônia: “Aqui estamos juntos em uma das maiores noites da música celebrando os melhores artistas, mas para ser honesta com você todos estamos nos sentindo incrivelmente tristes agora. Porque mais cedo hoje, Los Angeles, a América, o mundo inteiro, perdeu um heroi. Estamos literalmente em pé aqui com o coração partido na casa que Kobe Bryant construiu", a plateia interrompeu com muitas palmas. 

"Agora, Kobe e sua filha Giana e todos os que se foram nessa tragédia hoje estão em nosso espírito, em nosso coração, nossas preces e neste prédio. E quero pedir a todos que pensem em um momento e compartilhem nossa força e nosso apoio com suas famílias. Nunca imaginamos começar, nem em milhões de anos, o programa assim, nunca, nunca, nunca.  Então, nós queremos fazer algo para descrever um pouco como nos sentimos agora”, disse a cantora no palco da premiação enquanto a plateia estava visivelmente emocionada.

Então, a cantora e Boyz II Men também fizeram um tributo para o ex-jogador de basquete cantando à capela ‘It’s So Hard to Say Goodbye’



 

Tudo o que sabemos sobre:
GrammyAlicia KeysKobe Bryant

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.