REUTERS/Lucas Jackson
REUTERS/Lucas Jackson

Grammy 2018: Bruno Mars, imbatível, desbanca Kendrick Lamar e é o campeão da noite, com seis prêmios

Confira os premiados na 60ª edição da cerimônia que premia os melhores da música

Pedro Antunes e Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2018 | 02h11

Antes mesmo da cerimônia do Grammy ter início, no Madison Square Garden, em Nova York, na noite deste domingo, 28, a academia da indústria de gravação revelou parte dos seus 84 indicados, principalmente nas categorias mais específicas – de subgêneros como melhor disco de comédia, por exemplo. E, nessa celebração prévia, destacou-se o nome de Kendrick Lamar, o rapper cuja derrota há dois anos, com o álbum To Pimp a Butterfly, foi bastante questionada por parte da crítica. 

O disco de 2015, considerado um fenômeno artístico e revolucionário, ao fundir a cultura hip-hop com a cultura do jazz de vanguarda da costa oeste norte-americana, ao mesmo tempo em que colocava o dedo em feridas que muitas pessoas gostariam de esquecer, levou quatro prêmios na cerimônia realizada no ano seguinte. 

Venceu nas categorias de melhor performance e melhor música, com Alright; melhor performance vocal de rap por These Walls; melhor vídeo de rap por Bad Blood, gravado com Taylor Swift; e melhor disco de rap. 

+++ Camila Cabello homenageia os 'sonhadores' no palco do Grammy

Desta vez, Damn, lançado no ano passado, faturou todos os gramofones das categorias específicas. Ainda antes mesmo do início da cerimônia, realizada na noite deste domingo, 28, no Madison Square Garden, Lamar havia levado três prêmios. Logo nos primeiros minutos do Grammy, foram mais dois. 

Damn foi eleito o disco de rap do ano, a música Humble foi eleita a melhor canção, performance e melhor vídeo. Com Loyalty, na qual Lamar divide os vocais com Rihanna, venceu como melhor performance vocal de rap. 

+++ Grammy 2018: Artistas do hip-hop e R&B rompem, aos poucos, o latifúndio do racismo na música pop

A noite sequer havia começado e, com os cinco recebidos no início da cerimônia, ele já tinha um total de 12 gramofones na carreira – e talvez seja a hora de comprar uma nova estante. 

Não era , contudo, uma cerimônia só de Lamar. Pelo contrário, embora o rapper tenha se destacado nas categorias de rap, Bruno Mars e seu pop foram os protagonistas da cerimônia. Ao longo da noite, o havaiano foi enfileirando prêmios e se sagrou o grande vencedor da noite, com seis gramofones. 

Curiosamente, desde 2016 – ou seja, há três cerimônias do Grammy – Mars não perde uma disputa no Grammy. Foi indicado, levou. 

Desta vez, não foi diferente. Sozinho, ele levou as três principais categorias da noite: canção do ano (That’s What I Like), disco do ano (24K Magic) e melhor gravação (a faixa 24K Magic)

Mars também se destacou previamente no início da cerimônia.  That’s What I Like se saiu vencedora nas categorias de melhor performance e música de R&B. A canção – executada durante a noite de cerimônia – também foi eleita a música do ano, desbancando Despacito (Luis Fonsi, Daddy Yankee e participação de Justin Bieber), 4:44 (Jay-Z), Issues (Julia Michaels), 1-800-273-8255 (Logic, com Alessia Cara & Khalid). 

+ Looks extravagantes, ternos coloridos e uma rosa branca formam o dress code do Grammy 2018

O havaiano foi o bicho-papão nas categorias de R&B as quais disputou. Seu disco, 24K Magic, foi eleito o melhor do gênero. Nas outras categorias, Childish Gambino garantiu o Grammy de melhor performance de R&B tradicional com a música Redbone, o carro chefe do seu novo disco. Já The Weeknd, artista pouco lembrado na cerimônia deste ano, viu o álbum Starboy ser escolhido como o melhor álbum contemporâneo. 

No universo indie, as principais vitórias ficaram com o LCD Soundystem, cujo retorno após seis anos de hiato foi celebrada com a escolha na categoria de melhor gravação dance. Já o The National, banda abocanhou o prêmio de melhor álbum alternativo, derrotando inclusive o gigante Arcade Fire, uma das poucas bandas a deixarem o underground e disputarem – e levarem – um prêmio principal do Grammy. 

No rock, Leonard Cohen, morto no fim de 2016, recebeu o Grammy póstumo pelo disco You Want It Darker, como melhor performance roqueira. Run, do Foo Fighters, foi eleita a melhor música, e A Deeper Understanding, do War on Drugs, o disco do ano do gênero. 

Desapontamento não foi só com Kendrick Lamar, cujo disco Damn provavelmente será lembrado nos próximos anos com mais frequência do que o álbum de Mars. Despacito, música dos porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee, tocou com exaustão nas rádios do mundo, tem números impressionantes de visualizações no YouTube, quatro vitórias no Grammy Latino.  

No Grammy, contudo, a indicação para gravação do ano e melhor música foi o suficiente. 

Ainda assim, nada representou melhor a onda de mudanças pelas quais os Estados Unidos passam atualmente do que a apresentação da dupla no palco e a ovação do público presente no Madison Square Garden. Faltou um Grammy. Mas essa sequer foi a única injustiça da noite. 

Confira, abaixo, a lista de vencedores do Grammy 2018: 

Gravação do Ano

Despacito, de Luis Fonsi e Justin Bieber

Redbone, de Childish Gambino

The Story of O.J., de Jay-Z

HUMBLE., de Kendrick Lamar

24K Magic, de Bruno Mars

Álbum do Ano

"Awaken, My Love!", de Childish Gambino

4:44, de Jay-Z

DAMN., de Kendrick Lamar

Melodrama, de Lorde

24K Magic, de Bruno Mars

Música do Ano

Despacito, de Luis Fonsi e Justin Bieber

4:44, de Jay-Z

Issues, de Julia Michaels

1-800-273-8255, de Logic com Alessia Cara e Khalid

That's What I Like, de Bruno Mars

Artista Revelação

Alessia Cara

Khalid

Lil Uzi Vert

Julia Michaels

SZA

Melhor Performance Solo Pop

Love So Soft, de Kelly Clarkson

Praying, de Kesha

Million Reasons, de Lady Gaga

What About Us, de P!nk

Shape Of You, de Ed Sheeran

Melhor Performance em Duo ou Grupo de Pop

Something Just Like This, de The Chainsmokers & Coldplay

Despacito, de Luis Fonsi & Daddy Yankee com Justin Bieber

Thunder, de Imagine Dragon

Feel It Still, de Portugal. The Man

Stay, de Zedd & Alessia Cara

Melhor Álbum Pop Vocal

Kaleidoscope EP, de Coldplay

Lust For Life, de Lana Del Rey

Evolve, de Imagine Dragons

Rainbow, de Kesha

Joanne, de Lady Gaga

÷ (Divide), de Ed Sheeran

Melhor Performance de Rock

You Want It Darker, de Leonard Cohen

The Promise, de Chris Cornell

Run, de Foo Fighters

No Good, de Kaleo

Go To War, de Nothing More

Melhor Música de Rock

Atlas, Rise!, de Metallica

Blood In The Cut, de K.Flay

Go To War, de Nothing More

Run, de Foo Fighters

The Stage, de Avenged Sevenfold

Melhor Álbum de Rock

Emperor Of Sand, de Mastodon

Hardwired...To Self-Destruct, de Metallica

The Stories We Tell Ourselves, de Nothing More

Villains, de Queens Of The Stone Age

A Deeper Understanding, de The War on Drugs

Melhor Álbum de Música Alternativa

Everything Now, de Arcade Fire

Humanz, de Gorillaz

American Dream, de LCD Soundsystem

Pure Comedy, de Josh Tillman

Sleep Well Beast, de The National

A lista completa de indicados ao Grammy 2018 pode ser acessada aqui.

Mais conteúdo sobre:
Grammy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.