Gloria Trevi será extraditada

O Supremo Tribunal Federal confirmou hoje a extradição para o México da cantora Gloria Trevi, do empresário Sergio Andrade e da corista María Raquenel Portillo para que sejam processados por delitos de "violação, corrupção e rapto de menores", disse o presidente do organismo máximo judicial, Marco Aurelio de Mello Farías.Os advogados de defesa de Gloria Trevi haviam solicitado a semana passada ao tribunal a suspensão da extradição, enquanto o Conselho Nacional de Refúgio (Conare) não se pronunciasse sobre o pedido de abrigo político apresentado em abril.O advogado da cantora mexicana, Rodrigo Barreto, disse hoje à AP, por telefone, que o pedido de abrigo se sustenta porque a vida de Gloria Trevi "corre perigo se ela for transferida para uma prisão no México". Segundo ele, Gloria tampouco teria garantias de um julgamento imparcial no Estado de Chihuahua, onde existe um processo contra ela, Andrade e María.Acrescentou ainda o advogado, que a lei brasileira somente autoriza a detenção de uma pessoa de forma preventiva por 81 dias, enquanto Gloria e seus companheiros já completaram 550 dias detidos. A petição foi apresentada com base no pedido de prisão domiciliar concedida pelo tribunal ao ex-general paraguaio a Lino Oviedo na sexta-feira, sobre quem pesa também um pedido de extradição solicitado pelo governo de seu país, para ser processado por ter sido, supostamente, o autor intelectual do assassinato do ex-vice-presidente Luis María Argaña, em março de 1999.O presidente do tribunal disse aos jornalistas que o pedido de suspensão da extradição de Gloria Trevi e de sua prisão domiciliar "não se justifica porque é uma questão julgada", pois a justiça já emitiu ditame a respeito em dezembro, em sessão plenária em Brasília.Acrescentou que agora falta somente seguir alguns procedimentos do processo, como a publicação no Diário Oficial, a entrega da documentação legalizada à representação diplomática do México em Brasília e à coordenação da entrega legal dos três cidadãos mexicanos detidos na Superintendência da Polícia Federal em Brasília.O advogado de defesa afirmou que o pedido de abrigo político da cantora apresentado decorre dos antecedentes comprobatórios dos perigos que cercam sua vida no México. Em uma entrevista coletiva à imprensa em dezembro, Gloria Trevi se declarou "vítima de uma conspiração" por não haver cumprido um contrato com uma televisão mexicana. Disse, ainda, que o governo do Estado de Chihuahua "pretende colocar uma cortina de fumaça na corrupção com meu processo". Gloria, Andrade e María foram detidos no Rio de Janeiro, em janeiro do ano passado a pedido da justiça mexicana para serem processados por "corrupção, violação e rapto de menores" de crianças e adolescentes que eram recrutadas para compor sua equipe artística. A cantora negou reiteradamente as acusações, mas seu empresário, Sergio Andrade, confirmou que teve um filho com uma das menores. Ele também teve um filho com Gloria, que morreu poucos dias após seu nascimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.