Reuters
Reuters

Gloria Gaynor afirma que 'I Will Survive' foi um presente de Deus

Cantora americana está em turnê pela Espanha

EFE

19 Julho 2016 | 11h36

MADRI - Para a rainha da música disco, Gloria Gaynor, conhecida por temas famosos como I am what I am ou Never can say goodbye, as músicas que a tornaram famosa transmitem esperança e inspiração, e no caso de I will survive “sempre acreditei que foi um presente de Deus”.

Gloria estava convalescendo de uma cirurgia e tinha dúvidas quanto a se a gravadora renovaria seu contrato, quando gravou essa música em 1978 como “lado B”, embora dissesse aos produtores que “estavam loucos” e este “seria um dos maiores sucessos que nunca tinham ouvido”.

Agora ela afirma nesta entrevista à EFE que foi um sucesso sobre o qual não lhe deram ouvido.

Aos 66 anos e com 42 de carreira, ela diz que é precisamente a mensagem positiva que suas músicas transmitem que lhe permitiu sobreviver à ascensão e queda da música disco.

Ela está tão convencida do poder da sua música que chega à Espanha para inspirar “esperança” para o público, com um repertório ampliado recentemente, “com um toque cristão”, com o qual promete surpreender.

“Quero transmitir ao público esperança, ânimo, para se sentir inspirado e fortalecido, sublinhou a norte-americana de Nova Jersey, onde nasceu em 1949, que em seus concertos em San Sebastian, Mallorca, Valência, Barcelona e Madri levará o melhor do ritmo dance dos anos 70 até a atualidade, com sua tournée Never can say goodbye.

É o mesmo título da versão da música homônima, gravada pela primeira vez pelos Jackson Five, que se transformou na primeira música disco a chegar ao primeiro lugar da lista Billboard, com a qual ela obteve reconhecimento internacional e que lançou sua carreira de cantora.

Mas Gloria adiantou que nos seus concertos na Espanha, além dos seus sucessos, cantará também temas do seu repertório cristão, “que o público talvez não tenha escutado antes. Eles ficarão surpreendidos, disse ela.

A artista afirmou que “vinha refletindo muito ultimamente”, sobre essa mescla de estilos e concluiu que “o otimismo e a felicidade da música disco para as pessoas são uma combinação perfeita com a sensação transmitida pela música cristã”.

Tudo isso é enfocado em uma única mensagem. “Temos de nos amar mais”, diz Gloria, convencida de que quando as pessoas “dançam e cantam” é difícil brigarem ou se odiarem.

A cantora americana, que na sua ampla trajetória já conquistou os prêmios Grammy e Legend, é conhecida também por sua participação no musical da Broadway Smokey Joe’s Café e suas aparições em séries como That 70’s show, Ally McBeal e Don’t forget the lyrics.

A voz mais conhecida das pistas de dança diz que se sente “ótima” depois de mais de quatro décadas no palco e ainda melhor quando pensa nas apresentações para o público espanhol, que não visita há dois anos.

E promete que sua tournée pela Espanha será “uma grande festa” que “todo mundo” poderá desfrutar.

 

Mais conteúdo sobre:
Gloria Gaynor Jackson Five Grammy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.