Gilberto Gil é convidado para cantar na ONU

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, disse estar bastante honrado e emociado com um convite inédito feito pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU): cantar no salão da Assembléia Geral da ONU nas comemorações do Dia Internacional da Paz e também em homenagem à memória do brasileiro Sérgio Vieira de Mello, representante especial da ONU no Iraque, que morreu juntamente com outros funcionários da ONU num atentado a bomba no mês passado. A apresentação de Gilberto Gil acontece amanhã, e deverá durar mais de uma hora, incluindo no seu repertório cerca de 15 músicas em português, espanhol, francês e inglês. "Foi uma idéia original do secretário Koffi Annan, que quer dar um pouco o sentido de que os ambientes oficiais deveriam ser permeados com a atmosfera que vem das ruas, dos lares e dos corações das pessoas. O fato de eu ser o ministro da Cultura de um País interessante como o Brasil e eu já represento um pouco o convívio entre o oficial e o artista popular", afirmou Gil. Segundo ele, a idéia de Koffi Annan de convidá-lo para cantar no salão da Assembléia Geral surgiu enquanto o secretário-geral da ONU sobrevoava o Rio de Janeiro, quando foi ao Brasil para o velório de Sérgio Vieira de Mello. "E aí como o ministro da Cultura estava disponível, com a capacidade de vir cantar, então surgiu o convite", brincou Gil. Entre as canções que farão parte da apresentação amanhã, estão Aquele Abraço, Filhos de Gandhi, No Woman No Cry, Let it Be, entre outras. "Pensei cantar canções alusivas a essa dimensão do trabalho de construção da paz. O secretário Koffi Annan pensou também nessa minha apresentação como uma saída do luto dedicado à memória de Sérgio Vieira de Mello", afirmou Gil. Ele será acompanhado apenas por um guitarrista e um percussionista. Gil destacou que o seu show também tem outro significado especial, o fato de ser o presidente Luiz Inácio Lula da Silva que vai abrir a 58.ª Assembléia Geral da ONU. O Show de Gilberto Gil começará as 20 horas (horário de Brasília).Rumo a Washington - Em seguida, o ministro da Cultura, Gilberto Gil, viajará a Washington para encontros no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Mundial (Bird). Em pauta, mais recursos para os programas do Ministério da Cultura.Segundo Gil, com o BID, o Ministério da Cultura já tem ações em andamento, como o programa Monumento, que o ministro vai propor que seja ampliado para a área de arquivos e à memória brasileira, incluindo o patrimônio histórico construído e também o "imaterial"."Vamos fazer uma avaliação do desempenho do programa até aqui e evidentemente vamos tentar ver a possibilidade de desenvolver outros programas com o BID", afirmou Gil. Segundo ele, o BID já vem incluindo programas voltados à cultura nas suas linhas de financiamento há alguns anos, "e o Banco Mundial está querendo começar agora". "Estamos ainda na fase de conceituação desses programas com o Banco Mundial", explicou o ministro. Sobre os recursos limitados para as pastas sociais, Gil enfatizou que o presidente Lula tem muito desejo de que o setor privado brasileiro seja envolvido de forma mais definida e contributiva. Segundo o ministro, fontes alternativas de recursos sempre são possibilidades importantes, mas o governo precisa de tempo para ajustar e consolidar seus programas. Indagado se a Cultura está ainda "muito pobre", Gil respondeu que seu Ministério conseguiu um aumento de 70% no orçamento. "No ano que vem não vamos estar tão pobres quanto esse ano", disse Gil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.