Gil reverencia Bob Marley em CD e DVD

Gilberto Gil reuniu amigos,imprensa e um séquito de personalidades, na segunda-feira ànoite, no Espaço Unibanco, para lançar seu novo disco, Kayan´Gan Daya (Warner Music) e um DVD, Kaya n´Jamaica, daConspiração Filmes, dirigido por Lula Buarque de Hollanda.O DVD foi filmado nas gravações do disco, no estúdio Tuff Gong(em Kingston, na Jamaica), e numa avant première do show emdezembro de 2001, no Directv Music Hall, em São Paulo. Ou seja:o show que se vê no DVD foi feito cinco meses antes da estréiado show "oficial", que Gil mostra na semana que vem no Rio deJaneiro.O DVD explica em parte o CD, e um se torna quase parteessencial do outro, num processo que sofistica a relação entremúsica e imagem na nova tecnologia - quase um "tempo real"."Aqui tem 16 canções, mas podia ter 50, 60, 80", disseGilberto Gil, sobre seu novo disco. "Podia ter outras 16canções e ainda assim não iria dar conta", ponderou.Mas o baiano tinha, obviamente, suas preferidas. Entre elas, notopo das preferências, contou, estava Rebel Music, de Aston"Familyman" Barrett e Hugh Peart. "Eu não faria um disco comcanções de Marley se não pudesse gravar Rebel Music", revelou.E brincou com a letra. "Não podemos sair por esse Paísaberto?"Homenagens - Ele contou também que foi coincidência ter gravadoem seqüência discos em homenagem a suas maiores influências,Luiz Gonzaga (As Canções de Eu Tu Eles) e Marley (Kayan´Gan Daya), o Rei do Baião e o Rei do Reggae.Pelo documentário, ficamos sabendo que o estúdio Tuff Gong não émais o original em que Marley gravava (hoje, virou museu), e queErrol Brown, o engenheiro de som privé de Marley, também nãoacha que seja o som do baixo nem a parafernália de estúdio quefaça a mágica do reggae - ele tem uma explicação muito maisracional. Ainda assim, ir ao Tuff Gong e reunir os grandescolaboradores de Marley - é particularmente forte a sessão quereúne o baterista Sly Dunbar e o baixista Robbie Shakespeare, amais perfeita cozinha do reggae - é um esforço elucidativo dométodo e da história de Marley.Como diz Rita Marley, a viúva oficial, Bob Marley não eraexatamente um intuitivo. Escrevia música o tempo todo, e chegavaa compor depois de um show, em hotéis, na cama, em estúdios. Eraum workaholic do reggae. E um amante abusado: o primeiro lugarno qual ele e Rita transaram foi na cozinha da casa dele. Elavivia na Cidade Alta, e era proibido ir à Cidade Baixa, ondeMarley vivia. "Mas eu sempre dava um jeito."Ficamos sabendo também que a palavra "samba", que Marley usana letra de Lick Samba, não tem nada a ver com o ritmobrasileiro. Samba, explica Rita Marley, é o nome que se dá a umaespécie de linguajar caipira dos jamaicanos, que parece cantado,daí a associação musical.Gil consegue uma proeza rara, reunindo muitos remanescentes dacorte do Imperador do Reggae, Bob Marley. Sly Dunbar e RobbieShakespeare estão em Could You Be Loved, que tem ainda aguitarra de Samuel Rosa, do Skank, outro amante do gênero.Mas é na participação dos back vocais de Marley, as Three LittleBirds, que reside o grande charme do disco. Elas contam queMarley compôs a música Three Little Birds especialmente paraelas. "Agora, nós somos suas passarinhas", diz MarciaGriffiths, entregando a chave do mistério a Gil.Gilberto Gil explicou, pouco antes de mostrar o seu DVD aosconvidados, que ele quis fazer um disco que tivesse exatamente omesmo som de Marley que ele ouviu no rádio, e que o encantoudesde adolescente. "É a música do jeito que ela está aquidentro", disse, apontando para o peito.No texto que escreveu para o encarte do disco, Gil diz queencontrou "uma espécie de similitude entre o Cangaceiro e oRastaman", duas figuras simbólicas que exercem grande fascíniosobre ele. Eis sua descrição:"O Cangaceiro: Estrelas de David ornando seu chapéu exótico,mal encobrindo cabelos longos e crespos, sua roupa de campanha,cartucheiras em cruz sobre o peito, os pés calçando pregatas derabicho, as mãos armadas com fuzil para a luta pela liberdade ea justiça.""O Rastaman: as mesmas Estrelas de David, o Leão de Judá, suajuba em dreadlocks descobrindo, enfatizando cabelos tambémlongos e crespos, sua roupa de campanha, a comida vegetariana, amaconha e nos lábios, numa língua cheia de novos signos, umdiscurso, arma para a luta também pela liberdade e a justiça."O elemento mais associado ao rastaman, a polêmica marijuana,quase não deu as caras na excursão neo-rastafári de Gilberto Gilà Jamaica: pelo menos não nas imagens do DVD. Apenas o baixistaArthur Maia, irreverente, brinca com a mitologia da maconha emdois momentos. Arthurzinho é legalize total.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.