Gil faz 60 anos sem cair na gandaia

Em vez de uma grande festa - afinal, não se faz 60 anos todos os dias -, Gilberto Gil preferiu um jantar íntimo, só com a presença de familiares, para comemorar seu aniversário hoje, no seu apartamento em São Conrado, no Rio de Janeiro. Gil vai apagar as velinhas ao lado dos seus filhos, de algumas de suas ex-mulheres, como Nana Caymmi, e da sua atual mulher, Flora. Alguns poucos amigos poderão comparecer, mas a lista é muito seleta."Vou dizer tudo de bom que ele merece no jantar. Estou confirmada", adianta Nana, que foi casada com Gil por dois anos e hoje mantem ótimas relações não só com ele, mas também com a atual mulher de Gil, Flora. O maior presente que Gil recebe hoje, na opinião de Nana, é ainda manter-se como um dos maiores fenômenos da MPB. "Ele é um modelo para pessoas medíocres e sem talento. Num país que cultua a juventude e os falsos talentos, os 60 anos de Gil são um motivo e tanto para comemorar."Mas Gil não tem tempo para comemorações. Ele não parou desde o começo do ano e, para quem o conhece, seu ritmo de trabalho não tem idade para sossegar. Desde o começo do ano, ele vem trabalhando no seu novo CD, o Kaya N´Gan Daya, homenagem a um de seus maiores mestres musicais, Bob Marley. De março a abril, ele gravou parte do disco e do DVD - também com o mesmo nome - na Jamaica.O lançamento oficial, no dia 13 de maio, foi o primeiro passo para uma série de shows que não deixaram o compositor baiano descansar. Depois de duas semanas lotadas no Canecão, Gil veio para São Paulo, onde se apresentou no DirecTV e voou para Brasília, Aracaju e Gravatá, interior de Pernambuco.O jantar é uma comemoração simbólica, pois ele vai ficar menos de dois dias no Rio com a mulher Flora e os filhos. Ontem ele voltou de seu último show no Brasil no primeiro semestre, em Gravatá, e já parte para a Europa, onde fica um mês e meio, como parte do circuito internacional, que inclui 20 cidades entre Milão, Londres e Paris. Planos para o retorno? Cair na gandaia com o novo disco até o carnaval.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.