George Harrison fala sobre novo disco

Os Beatles são um fenômeno único na indústria do entretenimento. Ao menos é essa a sensação que passam os eventos que trazem a marca do conjunto. A última delas é o bate-papo virtual com o guitarrista George Harrison, promovido por um provedor norte-americano, que reuniu cerca de 300 mil pessoas. Tantas, que o sistema desabou algumas vezes. "Deviam chamar esse tipo de iniciativa de intercâmbio na internet, porque não se trata propriamente de uma conversa", disse Harrison após participar do evento. "Alguém do selo Capital Records seleciona as perguntas, eu as respondo e eles escrevem por mim."Se fossem Britney Spears ou Justin Timberlake os entrevistados seria razoável o interesse do público. No entanto, é no mínimo estranho pensar que se trata de um músico de 58 anos, que já esteve afastado do mundo pop por mais de uma década. George Harrison está de volta para promover o relançamento de um disco gravado há 30 anos. É fato que existe uma reserva sem fundo de boa vontade para com os quatro rapazes de Liverpool, cujo grande mérito foi transformar a cara da música pop mundial. O enorme êxito de 1, o disco de grandes sucessos dos Beatles, editado há poucos meses, corrobora essa afirmação. Harrison, em entrevista por telefone, disse que a reaparição de sua ex-banda nos primeiros lugares das paradas é algo muito agradável. "O que mais me agrada em tudo isso é que estamos novamente próximos da juventude.", afirmou. "Damos às crianças e jovens, de 6 a 16 anos, uma visão alternativa da música, frente ao que esteve disponível nos últimos 20 anos."O guitarrista do mais famoso grupo de rock de todos os tempos vive agora em retiro, numa mansão a 40 Km de Londres. É nela que passa a maior parte de seu tempo. Tem ouvido principalmente discos dos anos 20 e 30. As atividades, entrevistas, bate-papos do ex-Beatle estão voltadas para a divulgação e promoção do álbum All Things Must Pass. É sua primeira aparição na mídia desde que um maluco invadiu sua casa em 1999 e tentou matá-lo. Harrison foi esfaqueado no peito, mas sobreviveu. "Me sinto bem", afirmou o músico. "É algo difícil de superar, mas fisicamente estou recuperado. Minha respiração está um pouquinho pior do que era antes. Fora isso, estou bem." Uma punhalada no peito e câncer na garganta. É difícil imaginar o que pode ser pior para um cantor. Mas Harrison, que já sofreu dos dois males, parece have-los superado, mesmo que sua voz demonstre certa fraqueza quando ele canta My Sweet Lord, regravada para o novo, antigo álbum. Este disco, inicialmente lançado em 1970, deu a Harrison o gosto de ser o primeiro Beatle, em carreira solo, a atingir os primeiros lugares das paradas. Nela ficou por dois meses. O disco volta, quem sabe, para levá-lo novamente ao pódio da música pop.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.