Genuíno samba paulista em show e CD

Ponta-de-lança paulista do movimento de revalorização e renovação do samba de verdade, o Quinteto em Branco e Preto lança seu segundo disco, Sentimento Popular (CPC-Umes), marcando o feito com dois shows, hoje e amanhã, na Choperia do Sesc Pompéia. Beth Carvalho, Nei Lopes, Xangô da Mangueira, Wilson das Neves, as velhas-guardas das escolas Camisa Verde e Nenê de Vila Matilde, que também participaram do disco. No texto do encarte, Hermínio Bello de Carvalho compara a importância do surgimento do Em Branco e Preto à de outro quinteto, nascido sob sua direção, em 1965, integrado por Paulinho da Viola, Elton Medeiros, Jair do Cavaquinho, Nelson Sargento e Anescarzinho do Salgueiro. Esse era o grupo que acompanhava Clementina de Jesus, uma estreante sexagenária, no show Rosa de Ouro. O Quinteto em Branco e Preto é formado por dois grupos de irmãos, com idades entre 22 e 26 anos: os pretinhos - a descrição é deles - Magno e Maurílio, de Santo Amaro, zona sul da cidade, e os branquinhos Everson, Yvison e Vitor Hugo, de São Mateus, na zona leste. Todos são instrumentistas e compositores. Magno é o principal vocalista, mas os outros também cantam. O grupo lançou seu primeiro disco, Riqueza do Brasil (também pela gravadora CPC-Umes) no fim de 2000, quando tinha pouco mais de dois anos de existência. Já na época fazia sala para os grandes nomes do samba do Rio que visitavam São Paulo, além de tocar com os bambas daqui. Criaram o Samba da Vela, um ritual semanal (realizado em Santo Amaro, sempre às segundas-feiras), em que compositores famosos ou anônimos apresentam músicas novas, enquanto queima uma vela comum. Quinteto em Branco e Preto. Hoje e amanhã, às 20h30. De R$ 10,00 a R$ 20,00. Choperia do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, tel. 3871-7700. Até amanhã

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.