Garoto pode ter sido molestado 7 vezes por Jackson

O principal investigador do caso em que Michael Jackson é acusado de abuso de um menor voltou a testemunhar hoje e disse que o acusador do astro pop contou-lhe ter sido molestado de cinco a sete vezes, mas que só poderia descrever dois desses incidentes em detalhes. O promotor do Condado de Santa Bárbara Tom Sneddon perguntou ao sargento Steve Robel sobre os números para acertar as diferenças que surgiram durante o julgamento. Robel disse ontem que o garoto disse aos investigadores que havia sido molestado cinco vezes. Porém, em seu próprio testemunho, o garoto disse que houve dois abusos, mas que acreditava que pudessem ter sido mais.Robel afirmou hoje que o garoto disse "que aconteceu de cinco a sete vezes mas que ele não poderia dizer exatamente o que aconteceu" em cada uma delas. O investigador disse que, desde as primeiras conversas com o menino, em julho de 2003, ele só conseguiu contar em detalhes como ocorreram dois dos abusos.A possibilidade de a vítima não estar plenamente consciente nas vezes em que foi molestada foi sugerida pelo testemunho do irmão do garoto, que disse ter visto Jackson abusar de seu irmão quando ele estava do dormindo.Em seu testemunho de ontem, o investigador disse que pressionou o acusador e sua família para que denunciassem o cantor, dizendo que "nós vamos tentar tudo para que esse caso se resolva". O advogado de defesa do cantor, Robert Sanger, questionou Robel sobre essa e outras declarações obtidas em entrevistas gravadas, sugerindo que elas indicavam que os investigadores estavam contra Michael Jackson desde o início.Sanger citou Robel, que teria dito: "Uma coisa eu quero deixar clara: vocês estão fazendo a coisa certa... Eu não ligo para quanto dinheiro ele tem. Foi ele quem fez a coisa errada. Nós vamos levar isso para a justiça". Sanger, então, perguntou: "Essa não é uma declaração de alguém com a mente aberta tentando encontrar a verdade, é?"Robel disse que foi treinado para fazer declarações deste tipo a supostas vítimas. "Essa declaração era para deixá-los seguros, porque eles estava, apavorados quando fizeram a denúncia. Levou duas semanas para que eles denunciassem". O testemunho de Robel aconteceu depois que o acusador do cantor terminou de depôr ontem, quando disse que havia falado a um professor que Jackson não o havia molestado por vergonha dos colegas de escola.

Agencia Estado,

16 de março de 2005 | 18h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.