Garoto diz ter sido masturbado por Jackson

O adolescente que acusou Michael Jackson de abuso sexual disse que o cantor pop o masturbou, de acordo com trechos de seu testemunho a um júri no caso contra o cantor divulgados pela rede de televisão americana ABC, que teve acesso a 1.900 folhas de declarações. O menino teria dito no depoimento, em março passado: "Nós estávamos deitados na cama e ele (Jackson) me disse que os homens têm que se masturbar. Ele me disse que queria me ensinar. Então nós estávamos deitados na cama, e aí ele começou a me esfregar. Ele colocou sua mão nas minhas calças e começou a me esfregar, as minhas partes íntimas. Ele estava me masturbando", disse o menino, de acordo com as transcrições divulgadas pela ABC.O garoto teria afirmado ainda que o cantor tinha os olhos "bem fechados" durante o abuso, que teria ocorrido no rancho do cantor, Neverland, na Califórnia. Na época o menino tinha 13 anos de idade.Segundo a ABC, o promotor perguntou ao garoto: "Em algum momento você tocou no sr. Jackson?". A resposta teria sido: "Não. Ele... ele queria que eu fizesse isso, mas eu não fiz. Eu disse não e eu afastei a minha mão".Ainda de acordo com a TV americana, o irmão mais novo do menor que acusa Jackson contou que estava vendo um filme de terror junto com o cantor, que estaria nu. "Isso é natural, é normal", teria dito Michael Jackson ao garoto. Questionado se o cantor estava tendo uma ereção no momento, o garoto teria dito que sim.Esses são os primeiros detalhes do caso a virem a público e se referem a supostos incidentes ocorridos entre fevereiro e março de 2003.Jackson, de 46 anos, foi acusado formalmente em abril. Seu julgamento deverá começar no próximo dia 31 de janeiro, na Califórnia.Os advogados de defesa criticaram a divulgação das transcrições. Thomas Mesereau Jr., que representa o cantor, emitiu declaração dizendo que a defesa levanta fortes objeções ao vazamento do depoimento dado a portas fechadas."As testemunhas que prestaram depoimento ante um júri nunca foram submetidas a interrogatório ou a rejeição por parte da defesa", disse. "Por lei, nenhum juiz ou advogado de defesa tem permissão para estar presente na sala onde fica o júri. Além disso, a defesa não teve oportunidade de chamar suas próprias testemunhas para refutar ou criticar esse procedimento tendencioso."

Agencia Estado,

14 de janeiro de 2005 | 13h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.