Monica Almeida/Chad Batka/The New York Times
Monica Almeida/Chad Batka/The New York Times

Freira que travava disputa judicial com Katy Perry morre no tribunal

A cantora, que pretendia comprar um convento em Los Angeles, estava em disputa com as religiosas desde 2015

O Estado de S.Paulo

10 Março 2018 | 15h28

A freira Catherine Rose Holtzman, que representava um grupo de religiosas em uma disputa judicial contra a cantora Katy Perry, morreu aos 89 anos nessa sexta-feira, 9. Holtzman havia comparecido a um tribunal de Los Angeles para pedir a anulação da decisão que favoreceu a diva pop quando, segundo relatos, "caiu e morreu" no local. 

+++Katy Perry retorna com 'Witness', álbum que revela sua maturidade

O convento das Irmãs do Sagrado e Imaculado Coração da Santíssima Virgem Maria, localizado no bairro Los Feliz, havia sido adquirido pelas freiras em 1971, mas elas acabaram tendo que sair do local por ordens da própria Arquidiocese de Los Angeles em 2011. 

+++Katy Perry registra recorde com número de seguidores no Twitter

Em 2015, Katy Perry firmou um acordo para comprar o terreno de 3,2 hectares por US$ 14,5 milhões, mas as próprias freiras combinaram a venda do local para uma empresária, Dana Hollister, que pretende construir um hotel ali, por US$ 1 milhão a mais do que a cantora havia oferecido. 

+++Katy Perry tenta pôr fim à rixa com Taylor Swift, mas não ganha resposta

A Arquidiocese ficou do lado de Perry, alegando que as monjas não poderiam vender uma propriedade que não era delas e, em dezembro de 2017, a Justiça deu ganho de causa à cantora, decretando que a artista recebesse US$ 5 milhões por danos morais e pelas custas do processo.

Foi exatamente essa decisão que a irmã Catherine Rose Holtzman havia tentado reverter quando morreu. As causas da morte ainda não foram divulgadas.

Mais conteúdo sobre:
música Katy Perry

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.