Free Jazz 2000: aberta temporada de caça aos astros

Começa a temporada de caça ao cast do Free Jazz Festival. A maior mostra de música internacional do País começa no dia 13 de outubro com um único nome confirmado até agora, mas com muitas especulações e negociações. O nome confirmado é o do trio Ben Folds Five, da Carolina do Norte. Os prováveis astros que devem vir ao Brasil - estão em turnê, têm datas abertas e confirmam o interesse - são Beck, Morcheeba (a gravadora Warner confirma os contatos) e Macy Gray (a Sony informa que houve contato, mas que não tem progredido por causa do alto preço do cachê). Os locais de realização do Free Jazz ainda não estão confirmados, mas devem ser de novo o Jockey Club de São Paulo e o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. O grupo Ben Folds Five - que não tem disco lançado aqui, mas teve uma canção na trilha do filme Godzilla - já dispôs no seu site na Internet as datas de apresentação no festival brasileiro. O grupo, que faz um som baseado numa fusão de piano, bateria, baixo e grooves dos anos 70, foi formado em 1994 em Chapel Hill, uma meca de rock que a revista Details chamou de "Seattle com Prozac". É de lá, por exemplo, o grupo Superchunk, que esteve por aqui há alguns dias. O trio é formado pelo baixista, pianista e baterista Ben Folds, o baixista Robert Sledge e o baterista Darren Jesse. Indicado duas vezes para o prêmio Grammy de melhor performance de música alternativa, o norte-americano Beck Hansen - ou simplesmente Beck - é o objeto do desejo do Free Jazz há pelo menos dois anos. No último ano, só não veio porque entrou em estúdio para gravar, segundo contou à reportagem.Neto de Al Hansen, um dos expoentes do grupo Fluxus, time de vanguarda das artes visuais na América, Beck diz que chega ao fim do século acreditando ainda na idéia de vanguarda. Mas tem uma definição bem pessoal para sua crença. "Eu creio em uma música que não seja feita de fórmulas", afirma. "Mas que não seja necessariamente uma música hermética; eu também acredito na música popular", diz o músico.Caso venha ao Brasil, Beck estará acompanhado do baterista Victor Indrizzo, o baixista Justin Meldal-Johnsen, o tecladista Roger Joseph Manning Jr., o saxofonista David Brown, o trompetista David Ralickie e o DJ Swamp, que cria os efeitos e os grooves do show.Modernidade eletrônica - O Ben Folds Five divulga seu disco mais recente, The Unauthorized Biography of Reinhold Messner - o nome foi escolhido pelo baterista Darren Jesse de um antigo colega de escola. O álbum usa um quarteto de cordas e uma sessão de metais para obter os efeitos e fica no limiar entre uma linguagem jazzística e o pop - coisa que outros convidados da última edição do Free Jazz, como o trio Medeski, Martin & Wood, procuram alcançar.A cantora Macy Gray estabeleceu-se recentemente como uma revelação do funk e do soul em suas versões mais modernas. Em colaboração com o produtor Fatboy Slim, ela gravou duas canções em Los Angeles - Where There´s a Way e Love Life - e seria a conexão feminina do festival (antes representada por nomes como Neneh Cherry, Erikah Badu, Natasha Atlas e outras).A banda de trip hop inglesa Morcheeba, que tem álbuns muito festejados nos meios eletrônicos (entre eles, Big Calm, de 1998, e Who Can You Trust?, de 1996), é liderada por Ross Godfrey, guitarrista e principal compositor. Ele e seu irmão Paul (responsável pelas programações), mais a cantora cantora Skye Edwards) dizem que são influenciados pelo rock e o blues.Se vier, o Morcheeba também preenche um dos espaços da modernidade eletrônica no cenário do festival - é da mesma linha que o Massive Attack, estrela de dois anos atrás. O próprio Godfrey afirmou recentemente que deveria vir ao Brasil este ano. O problema ainda é o de sempre - os cachês altos.Do mainstream do jazz, apenas um nome aparece nas cotações: o veterano baterista Elvin Jones. O ex-parceiro de John Coltrane está em excursão pela Europa com seu grupo Jazz Machine e é um dos maiores nomes do instrumento na história do jazz. Elvin Jones grava desde os anos 50 e é - ao lado de Max Roach - um dos últimos grandes da bateria em atividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.