Nube Abe
Nube Abe

Francisco, El Hombre celebra o ótimo 2017 com o bloco de carnaval 'Calor da Rua'

Grupo estreia novo bloco carnavalesco nesta sexta-feira, 12, no Rio de Janeiro; show em São Paulo será no dia 24 de janeiro, na Casa Natura Musical

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 06h01

Em alguns anos – uns 15, talvez – quando buscarmos referências musicais para explicar as mudanças socioculturais de 2015, 2016 e 2017, algumas canções certamente terão um papel importante para refletir a transformação que coloca abusadores nos seus devidos lugares, entre outras questões a serem tratadas em uma sociedade doente.

Maria da Vila Matilde, de Elza Soares, lançada em A Mulher do Fim do Mundo, disco de 2015, por exemplo, trouxe à tona a violência doméstica. Triste, Louca ou Má, da banda Francisco, El Hombre, estará entre elas. A canção, trilha da novela O Outro Lado do Paraíso, entrega um canto sobre a liberdade.

“Um homem não te define / Sua casa não te define / Sua carne não te define / Você é seu próprio lar”, canta Juliana Strassacapa, uma das vocalista da banda mezzo-brasileira, mezzo-mexicana, inteiramente latino-americana. 

O disco de estreia do grupo, Soltasbruxa, saiu em 2016, mas foi o ano seguinte o definidor para o Francisco, El Hombre. Rodaram o País, em festivais de música independente, emplacaram música na novela das 9 da maior emissora de TV brasileira e foram anunciados na programação do Lollapalooza 2018 (eles tocam no domingo, dia 25 de março).

Para começar 2018 – ano no qual eles gravam e lançam o segundo álbum, a ser erguido com o apoio do edital Natura Musical –, a banda coloca o bloco na rua. 

Chamado Calor da Rua, também nome de uma música que combina com a quentura carnavalesca, aliás (“eu vou sentir o calor da rua”, diz um verso), o encontro reúne o grupo, a bateria Flor do Asfalto e agitadores culturais da cidade, sob o comando do mestre Jonas Lessa. A estreia será já nesta sexta, 12, no Circo Voador, no Rio. Em São Paulo, o debute será na Casa Natura Musical, dia 24 de janeiro, uma quarta-feira. 

O festejo conta com a músicas da banda (como Bolso Nada, Tá com Dólar, Tá com Deus, Calor na Rua e, claro Triste, Louca ou Má) e de outros artistas – o escopo bem variado vai de Caetano Veloso (Vaca Profana) a As Meninas (Xibom Bombom), passando pelo indie dos Porcas e Borboletas (Tá Todo Mundo Pensando em Sexo). 

“O que tentamos dar para o nosso bloco é uma intenção de que não é só curtição”, explica Juliana. “A música que tocamos aqui tem uma mensagem. Não é o descarrego descontrolado do carnaval, que é algo que eu acho supertóxico. Vejo o nosso show como uma parada para extravasar, sair do lugar-comum, mas em um processo catártico, sentir o mesmo fogo e arder junto.” 

BLOCO CALOR DA RUA 

Casa Natura Musical. Casa Natural Musical. R. Arthur de Azevedo, 2.134, Pinheiros, tel.: 4003-6860. Dia 24, 21h30. R$ 45 a R$ 100.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.