Forrozeiro é assassinado em Pernambuco

Vanildo de Pombos era divulgador do forró pé-de-serra e tinha um programa de rádio

Angela Lacerda, de O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2008 | 17h49

O corpo do forrozeiro Vanildo Cavalcanti de Albuquerque, o Vanildo de Pombos, 47 anos, foi enterrado na tarde deste domingo, 27, em Pombos, município do agreste pernambucano. O músico foi assassinado na noite de sábado, 26, em frente à sua casa, por dois motoqueiros. Ele tentou fugir ao perceber a intenção dos assassinos, mas foi atingido por tiros nas costas. A polícia investiga o crime e trabalha com a hipótese de crime político, já que o compositor fazia jingles para campanhas eleitorais.  Discípulo de Luiz Gonzaga e divulgador do autêntico forró pé-de-serra, Vanildo tinha quatro discos gravados e cerca de 300 composições. Nascido no Paraná, foi criado no agreste de Pernambuco e aprendeu a tocar sanfona sozinho, na adolescência. Ele fazia um programa de rádio "O Forró do Gereba", em Pombos, e foi o homenageado do São João de Gravatá - também no agreste - neste ano. Na estrada desde a década de 80, ele começou a expandir seu sucesso nos últimos anos. Fez turnê nos Estados Unidos - apresentou-se com o grupo mestre Ambrósio no Lincoln Center Festival, em Nova York, em 2003 - e na Europa. Participou de show com os artistas populares pernambucanos Selma do Côco e Mestre Salustiano, no Sesc Pompéia, em São Paulo, e dividiu o palco com Moraes Moreira no Projeto Seis e Meia. Vanildo de Pombos era casado e tinha duas filhas.

Tudo o que sabemos sobre:
forróvanildo de pombos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.