JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Foo Fighters e Queens of the Stone Age transformam SP no Olimpo do rock

Público no primeiro show das bandas na capital paulista foi de 40 mil pessoas, segundo organização do evento

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2018 | 00h14

SÃO PAULO - Nenhum outro lugar da galáxia tinha mais energia e impulsividade do que a capital paulista na noite desta terça-feira, 27. Ao som das guitarras frenéticas e mordazes de Dave Grohl e Josh Homme, os líderes do Foo Fighters e do Queens of the Stone Age, São Paulo viu de perto uma performance de alto nível de duas das mais importantes bandas de rock dos anos 1990 e 2000. Com apresentações enérgicas e cheias de gás, quem foi ao Allianz Parque presenciou um espetáculo memorável.

Em sua quarta passagem pelo País, o Foo Fighters deu uma verdadeira aula de rock and roll. A exemplo das outras performances no Brasil, o carisma de Grohl roubou a cena. Logo no início do show, uma sequência arrebatadora para ninguém botar defeito: Run, All My Life e Learn to Fly, canções de diferentes fases do grupo. Uma trinca, digamos, impactante e difícil de ser quebrada.

Já na terceira música, a guitarra azul de David Grohl comandava uma verdadeira legião de fãs ávidos por um rock puro e intenso. Os diálogos engraçadinhos somados a um setlist equilibrado transformaram a apresentação do Foo Fighters em algo imbatível dentro do show bis. "Que fique claro, isso aqui é um show de rock. E vocês gostam de rock, certo?", disse Grohl.

Na sequência vieram The Pretender, Rope e The Sky Is a Neighborhood. A última, inclusive, do disco mais recente, Concrete and Gold, lançado no ano passado. 

Apesar de não repetirem a mesma catarse dos clássicos, as canções foram bem aceitas pelo público.  "É a primeira vez que isso acontece num show do Foo Fighters. Isso é muito f***!", disse Grohl ao se emocionar com as luzes dos celulares que iluminavam o estádio em The Sky Is a Neighborhood. Daí para frente foi só porrada. 'My Hero', 'These Days' e 'Breakout'

Como de costume, o baterista Taylor Hawkins assumiu os vocais. Isso aconteceu em 'Under Pressure', do Queen. Grohl também lembrou a época de Nirvana na bateria. Houve ainda mais tempo para a sessão Café Piu Piu com 'Another One Bits the Dust' (Queen), 'Love of My Life' (Queen) e 'Blitzkrieg Bop' (Ramones) enquanto Grohl apresentava os outros integrantes da banda.

Neste ponto, entretanto, faltou ao Foo Fighters um pouco de inovação. Em janeiro de 2015, a banda já havia feito versões de Kiss, Black Sabbath, Rush e Rod Stewart. Apesar da alteração no repertório, Grohl e sua trupe tinham mais cartas na manga para manter o espetáculo em alta. 

Críticas pontuais à parte, os clássicos 'Monkey Wrench', 'Times Like These', 'Best of You' e 'Everlong' deram números finais à apresentação. Duas músicas que não foram tocadas no Rio entraram no set em São Paulo: 'Big Me' e 'Generator'.

O show do Foo Fighters é do tipo que continua valendo cada centavo pago pelo ingresso. Não há ali um único sinal de arrependimento ou frustração. Grohl é um showman e sabe conduzir o espetáculo com maestria. Defensor do rock, levanta a bandeira do gênero e em nenhum momento deixa a peteca cair. Em tempos de tantas baixas, como a de Malcolm Young (AC/DC) e Lemmy (Motörhead), Grohl mantém firme o legado do rock até o último segundo.

Queens infernal. Mais cedo o Queens of the Stone Age também não decepcionou. Em 1 hora e meia de show, emendou hit atrás de hit. Josh Homme estava com a guitarra pesada. Do disco mais recente, Villains, foram quatro músicas: Domesticated Animada, Feet Don’t Fail Me, The Evil Has Landed e The Way You Used to Do.

Os clássicos, entretanto, foram os responsáveis por preparar o terreno para o Foo Fighters. Little Sister e Go With The Flow deram mais vida ao show.

My God Is The Sun e I Sat By The Ocean, canções do elogiado ...Like Clockwork (2014), também funcionaram.

A exemplo do show no Maracanã no último domingo, 25, a tão esperada participação de David Grohl na bateria em No One Knows não aconteceu. Parceiros de longa data, Josh e Grohl perderam a chance de tornar a apresentação no Brasil ainda mais histórica.

Foo Fighters e Queens of the Stone Age voltam a se apresentar em São Paulo nesta quarta-feira, 28, no  Allianz Parque.

Tudo o que sabemos sobre:
Foo FightersQueens of the Stone Age

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.