Fim de semana de samba na Capital

O pandeiro, lembra Aldir Blanc, escrevendo sobre Jorginho do Pandeiro, é um instrumento sensível mais do complexo do que se imagina, para ser tocado. "Jorginho é o único pandeirista, que eu saiba, para quem outros excelentes músicos, com todo o respeito, abrem solo. Solo de pandeiro, sim senhor." Mestre no samba e no choro, num fim de semana em que o samba ocupa boa parte dos palcos da cidade, Jorginho do Pandeiro estará fazendo festa de aniversário na Choperia do Sesc Pompéia, amanhã e sábado. Contando, em cada dia, com a participação de convidados muito especiais - todos eles seus admiradores. Amanhã, estarão com ele em cena o percussionistas - mas principalmente pandeirista - Marcos Suzano, o pianista Laércio de Freitas, o conjunto Izaías Entre Amigos e dois filhos de Jorginho: Celsinho Silva (que integra o grupo Nó em Pingo d´Água) e Jorge Filho (que vem com seu grupo, o Época de Ouro).Para sábado, permanecerão em cena o Época e o grupo de Izaías, mais Celsinho Silva; o time de convidados completa-se com o violonista gaúcho Yamandu Costa, com a flautista paulistana Léa Freire e os percussionistas Guello e Carlos Stasi aqui da terra.Época de Ouro - Não existem samba ou choro sem pandeiro. E ninguém toca pandeiro como Jorge José da Silva, nascido no Rio de Janeiro, em 1930, fundador, em 1966, com Jacó do Bandolim, César Faria (pai de Paulinho da Viola), Carlinhos, Jonas e Gilberto d´Ávila, do conjunto Época de Ouro, do qual ainda hoje é diretor musical.Jorginho é filho de pandeirista e pai de pandeiristas. Participou dos conjuntos de César Moreno, de Dante Santoro, do Reginal do Canhoto, dos célebres Quatro Ases e um Coringa. Viveu a época de ouro do rádio e foi do elenco da Nacional, a emissora que congregava o maior número de estrelas dos anos 40 e 50. Ser da Rádio Nacional era ser o máximo. Jorginho sempre foi o pandeirista predileto de todo o elenco.Beth Carvalho o tem sempre por perto, para gravar seus discos, da mesma forma que João Bosco, Paulinho da Viola, Ivan Lins, Marisa Monte, Elba Ramalho - pense em que faz boa música com ritmo e Jorginho do Pandeiro estará por ali.Pandeiristas - Estamos falando - escreve Aldir Blanc, citando Dorival Caymmi - de Jorginho do lendário Época de Ouro, que vale por um tempo também glorioso. "O compositor salienta: os desfiles de escolas de samba popularizaram uma série de pandeiristas que, por força do espetáculo, são mais acrobatas do que músicos. Pois bem, Jorginho não é acrobata. É um poeta do ritmo. Parabéns?. E, como se a festa se espalhasse, bons sambistas cantam e tocam nos quatro cantos da cidade. Para falar de alguns, só trarão prazer e alegria as apresentações de Royce do Cavaco, sábado, no Consulado da Cerveja, e de Carlinhos do Cavaco, também sábado, mas no Sesc Vila Mariana. Os dois são de São Paulo e a música deles serve para lembrar que aqui se faz samba bom, muito bom.Do Rio de Janeiro vem o bamba Nei Lopes, que apresenta, no domingo, na Fnac, as músicas de seu disco mais recente, De Letra e Música. Ainda no domingo, no Sesc Vila Mariana, os meninos do Quinteto em Branco e Preto cantam e tocam os sambas de seu disco de estréia, Riqueza do Brasil, recém-lançado. No repertório, uma até agora inédita de Nelson Cavaquinho, Quero lhe Ver em Meus Braços, e outra de Wilson Moreira, O Tempo em Que Eu Era Criança, além de criações próprias e homenagens às velhas-guardas de escolas do Rio e de Sampa. Quem for bom sujeito, vai.Carlinhos do Cavaco . Sábado, às 16 horas. Entrada franca. Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141, tel. 5080-3000Jorginho do Pandeiro 70 Anos. Sexta e sábado, às 21h30. De R$ 5,00 a R$ 10,00. Choperia do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, tel. 3871-7700. Até sábadoNei Lopes. Sábado, às 19 horas. Entrada franca. Fnac. Avenida Pedroso de Morais, 858, tel. 3097-0022Quinteto em Branco e Preto. Domingo, às 16 horas. Entrada franca. Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141, tel. 5080-3000Royce do Cavaco. Sábado, às 17h45. Consumação mínima R$ 12,00 (mulher) e R$ 20,00 (homem). Consulado da Cerveja. Rua Eduardo Espínola Filho, 70, tel. 6973-3256

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.