Filipe Mukenga faz show no Ibirapuera

O ?quase-brasileiro? Filipe Mukenga agora busca novos horizontes para mostrar seu intrigante afro-pop. Compositor angolano residente em Portugal há oito anos, depois de fugir da guerra civil de seu país, Mukenga chega ao Brasil pensando em ficar. Depois de seis visitas à Bahia, fora passagens rápidas por São Paulo e Rio de Janeiro, seu lugar ao sol nas terras de Cabral está praticamente garantido.Ao lado de Zélia Duncan e Cássia Eller, o cantor faz, domingo, às 17 h, no Parque do Ibirapuera, sua maior apresentação na cidade. Sétimo encontro da série Pão Music ? que este ano pegou carona nas festividades dos 500 anos do Descobrimento ? , o evento terá momentos de apresentações solo e em parcerias.Zélia Duncan preparou canções de seus discos mais recentes, Acesso e Intimidade. Cássia Eller prossegue bebendo nas músicas de Com Você Meu Mundo Ficaria Completo. Já Mukenga mostrará canções de Kianda Ki Anda, seu terceiro álbum, gravado em Paris.Influenciado pelo pop de Charles Aznavour, Beatles e Ray Charles, Filipe Mukenga conjugou aos elementos da música ocidental moderna particularidades de sons tipicamente africanos. Ritmos tradicionais como semba (que muitos acreditam ser a semente principal do samba), katebula e kilapanda aparecem em suas composições desde 1973, quando formou com o músico José Agostinho o Duo Misoso.Se todos os seus planos para este ano derem certo, o difícil e concorrido mercado português perderá um de seus criadores mais originais. ?Se as coisas ocorrerem conforme o esperado, penso em morar no Brasil. Portugal está muito voltado para as sonoridades mais pop. O espaço para minha música está neste País?, acredita ele. Mukenga gravará, no próximo mês, um disco em Salvador.O trabalho terá participações especiais de Martinho da Vila e Djavan, antigos admiradores de suas canções. No álbum Seduzir, de Djavan, aparecem versões para suas Nvula e Humbiumbi.Duas apresentações estão marcadas para Salvador, terra em que Mukenga já começa a criar seu circuito de amizades. Dia 11 de novembro, ele comemora o dia da independência de Angola na Casa de Angola. No dia 25, faz um show no Pelourinho.As comemorações deste ano trouxeram ao País uma quantidade incomum de artistas lusitanos. Só o projeto patrocinado pelo Pão de Açúcar teve Dulce Pontes, Sérgio Godinho, Luís Represas, Maria João e Madredeus.Estão previstas ainda Maria Bethânia com Filipa Pais e Antonio Chainho, em novembro, e Marisa Monte, Velha Guarda da Portela e Cesária Évora, para dezembro. A torcida de Mukenga, para 2001, é que esse intercâmbio não termine com o fim das festas. ?Temos muitas coisas em comum, mas nunca aproveitamos isso da forma que deveríamos aproveitar.?Show com Cássia Eller, Zélia Duncan e Filipe Mukenga - Domingo, às 17 h. Praça da Paz do Parque do Ibirapuera. Entrada franca

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.