Filhos prestam tributo inédito a Baden Powell

Nesta quinta-feira, o projeto Quinta no BNDES apresenta um tributo inédito ao violonista Baden Powell, às 19h, de graça, no Espaço do BNDES, no Rio. Baden, morto em setembro deste ano, era o convidado do show de encerramento da programação da edição 2000 do projeto. Na sua ausência, seus filhos - o pianista Philippe Baden Powell e o violonista Marcel Powell - irão homenageá-lo tocando um repertório de canções dele e de alguns amigos do músico e expoentes da MPB e da bossa nova, como Vinícius de Moraes, Tom Jobim e Billy Blanco. Eles pretendem montar um show maior, no próximo ano, dividindo o palco com os velhos parceiros de Baden, como Paulo César Pinheiro, e novos talentos brasileiros que regravaram canções do violonista, dentre eles, Ed Motta.Philippe é afilhado de Paulo César Pinheiro e Clara Nunes, e Marcel, de Billy Blanco. Baden não queria que os meninos fossem músicos profissionais; dizia que era um caminho muito difícil. O chamado foi mais forte e os dois começaram a trabalhar com o pai ainda bem jovens - Marcel tem 18 anos e Philippe, 22. Chegaram a gravar dois discos com ele, um no Brasil e outro no Japão. Nascidos na França, onde Baden morou, os dois têm uma formação clássica aliada à popular, herança do pai. "Ele era um músico popular, gostava muito do samba, mas percebe-se a grande influência do clássico na sua concepção musical, nos arranjos", diz Phillipe. Há três anos ele e o irmão Marcel vêm desenvolvendo um trabalho em duo em paralelo à suas carreiras solo. A memória da fama e do talento do pai é uma companhia bem vinda: "É impossível não pensar em dar continuidade ao trabalho dele. Baden está presente na nossa formação, no jeito de cantar, de tocar. Nossa noção de harmonia, leitura e percepção musical vem, na maior parte, da orientação dele", lembra Philippe. Para Marcel, violonista como o pai, Baden está completamente presente na sua música. "Tudo o que eu aprendi de violão foi com ele. Meu estilo de tocar é inspirado absolutamente no dele."O show foi dividido em dois blocos dedicados a solos do pianista e do violonista e outra parte onde os dois executarão músicas do repertório do pai e de alguns de seus amigos famosos. Como abertura foram escolhidos dois clássicos de Baden Powell, Berimbau e Canto de Ossanha. No programa não faltarão Consolação e a histórica Samba Triste, sua primeira composição gravada, cuja autoria divide com Billy Blanco. Ainda na programação,Garota de Ipanema, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, Manhã de Carnaval, de Luís Bonfá e Antonio Maria, e Samba de Uma Nota Só, de Tom Jobim e Nilton Mendonça. O tributo termina com uma seqüência especial de sambas culminando com Samba da Benção, parceria de Baden com Vinícius de Moraes.Philippe diz que Baden estava "curtindo" muito as novas versões de suas múscias. "Meu pai era um compositor muito aberto à renovação", explica o pianista. Baden já via com bons olhos as inovações nos arranjos das suas músicas, misturas com jazz e música brasileira. Ousadias que Philippe e Marcel trazem em seus repertórios. Por isso, eles pensam em convidar novos nomes do cenário musical brasileiro, como Ed Motta, que gravou Consolação, e Pedro Mariano, que retomou Tem Dó, ambas composições de Baden.Tributo a Baden Powell - com Marcel Powell e Philippe Baden Powell Quinta-feira (30), Espaço do BNDES - Av.Chile, 100, Centro. Tel. 277-7757. Entrada Franca. Senhas distribuídas a partir das 18h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.