Filhos de Bob Marley disputam Grammy de reggae

A categoria reggae da festa da noite de hoje da 44ª edição do Grammy Awards marca a disputa pela estatueta de dois filhos do maior ícone do estilo musical, Bob Marley. Com o disco Halfway Tree, Damian Marley estará frente a frente com seu irmão Ky-Mani Marley, que lançou no ano passado Many More Roads, o segundo de sua carreira.Além deles, disputam o título de melhor álbum de reggae do ano dois veteranos jamaicanos: Beres Hammond, com Music Is Life, e Luciano, com A New Day. Fecha a lista de candidatos a coletânea Island Warriors, compilada com novos nomes do cenário mundial.Outro ponto curioso desta categoria é o fato de a Academia ter simplesmente deixado passar a grande chance de homenagear exatamente Bob Marley com uma estatueta nesta edição do Grammy. No ano passado, foi celebrado 20 anos de sua morte e, entre vários relançamentos, teve o destacado Trenchtown Days: The Birth of a Legend. Essa seria uma grande chance de gratificá-lo por sua inestimável contribuição para a música mundial.Para prosseguir na linha das contradições, vale ressaltar que nenhum dos cinco CDs indicados para esta categoria foi lançado até o momento no Brasil, um dos principais mercados mundiais de consumo do reggae.Favoritos - A categoria reggae tem um público muito específico e, historicamente, é marcada por ?gafes? na concessão do prêmio. Gregory Isaacs, por exemplo, um dos principais cantores jamaicanos e que tem peso na história do ritmo, já foi indicado uma porção de vezes e nunca abocanhou o prêmio. Hoje, mais uma vez, é bem provável que ocorra alguma surpresa.E essa surpresa poderá ser a vitória de algum dos dois irmãos Marley. De fato, nenhum é merecedor. Damian ?Jr Gong?, como também é conhecido, fez de Halfway Tree um disco muito voltado para o que se conhece como raggamuffin, uma vertente do reggae dominada por DJs que transformam a música em quase rap ou hip hop.Já Ky-Mani mostrou todo o seu talento no disco anterior, The Journey, e repete a dose em Many More Roads, um disco redondo. Ao lado de seus irmãos Ziggy e Stephen Marley, dos Melody Makers, Ky-Mani está no seleto grupo dos que produzem o que há de melhor do reggae contemporâneo, ao qual se incluem Burning Spear, Beres e Luciano, estes sim indicados ao prêmio. Mas, apesar de ter produzido um disco muito bom, Ky-Mani precisa provar regularidade na sua obra e isso só vem com o tempo.Se de fato o critério for pela qualidade musical da obra, ou pelo conjunto do trabalho do disco, a disputa ficará, de fato, entre Music Is Life e A New Day. E aí há um empate técnico entre os dois discos. Luciano talvez seja o cantor jamaicano que tenha apresentado maior evolução nos últimos anos. A New Day prova que o reggae melódico e suave, malemolente e hipnotizante permanece vivo, apesar das tentativas de gente como Damian Marley, Beenie Man e Bounty Killer de liquidá-lo. O disco conta também com uma regravação de Legalize It, clássico de Peter Tosh.Já Beres Hammond é famoso pelo seu estilo romântico e Music Is Life segue esta mesma coerência. Canções como Rock Away, They Gonna Talk e Ain?t It Good to Know são envolventes e dançantes, típicas do suingue da ilha do caribe. A obra conta com gente muito boa do cenário do reggae jamaicano, como Sly Dumbar e Robbie Shakespeare, Rolando Wilson e Earl ?China? Smith, entre outras feras. O último indicado, Island Warriors, é formado basicamente por bandas novas, que poderão fazer algum sucesso no futuro. Acima de todos os concorrentes, melhor e mais coerente indicação seria Trenchtown Days: The Birth of a Legend. Marley merecia esse prêmio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.