Filho de Elis resgata CD com raridades

O produtor e músico João Marcello Bôscoli, de 33 anos, é incrivelmente parecido com a mãe, Elis Regina. Fica difícil olhar para o rosto dele e não pensar: ?É a cara da Elis...? Falastrão, gosta de dizer na lata o que a sua mente inquieta articula. É conhecido também por destilar críticas ácidas à indústria fonográfica, assunto que domina muito bem. Acha que os executivos das multinacionais deveriam encarar a internet como um aliado, não um inimigo, é contra medidas que inibam cópias de CDs e não acredita que exista uma fórmula de combate à pirataria. Workaholic confesso, o músico costuma acordar às 6 horas da manhã e dormir às 2 da madrugada todo dia. Tanto trabalho já o levou para o hospital duas vezes no ano passado.Há seis anos está à frente da gravadora independente Trama, em sociedade com os irmãos André e Cláudio Szajman. A Trama é um dos ?braços? do Grupo Szajman, mantém em seu casting 26 artistas, entre eles, Cláudio Zoli e Fernanda Porto, dois dos mais lucrativos, Simoninha, Jair Oliveira, e concentra todas as etapas de produção de um disco, desde a gravação até a distribuição. Distribui o trabalho dos artistas próprios, além dos discos de 50 selos. No ano passado, segundo Bôscoli, a distribuidora de selos independentes da Trama representava 5% de faturamento da gravadora. Este ano, foi de 20%. ?Nunca se produziu tanta música no Brasil. A Maria Bethânia é uma artista independente. A Elis, sem dúvida, seria uma artista independente.?O músico já trabalhou para a Sony Music. Lá, lançou em 1995 um CD como produtor, João Marcello Bôscoli e Cia., reunindo diversos nomes, como Arnaldo Antunes, Milton Nascimento e Waly Salomão. Alguns outros convidados viriam a trabalhar com Bôscoli na Trama, como Pedro Mariano, César Camargo Mariano, Simoninha. Agora, ele relança o álbum por sua gravadora. Ao mesmo tempo, lança dois DVDs e outro CD, com registros de performances de músicos que passaram pelo programa Música Brasileira, que ele apresentou em 1999 e 2001 e vai retomar a partir em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.