Filarmônica de Nova York faz turnê na AL

A orquestra Filarmônica de Nova York, sob a batuta do maestro Kurt Masur, iniciará uma turnê de 11 concertos no próximo dia 12 de junho, por cinco capitais da América Latina, conforme foi anunciado hoje, passando pela Cidade do México, São Paulo, Rio de Janeiro, Santiago do Chile e Buenos Aires, onde fechará a turnê com um concerto no Teatro Colón, no dia 27 de junho."Para mim é como voltar para casa", disse Masur durante a apresentação realizada hoje, na sede do Citigroup, em Manhattam, na presença do presidente da orquestra, Paul Guenther, do diretor-executivo Zarin Mehta e de representantes das entidades patrocinadoras Citibank e Salomon Smith Barney."Conheço bem o público nesses países, que é muito educado e monstra grande entusiasmo nos concertos, além de uma extraordinária demonstração de amizade", completou o maestro Masur, que deverá deixar o cargo de diretor da orquestra após a turnê latino-americana. A Orquestra Filarmônica de Nova York, a mais antiga dos Estados Unidos vai apresentar um repertório que inclui Don Juan, Morte e Transfiguração, Quatro Últimas Canções e Till Eulenspiegel, de Richard Strauss. Essas duas últimas obras e mais a Sinfonia Número 1 de Shostakovich abrirão a turnê com um concerto na sala Nezahualcoyotl, da universidade da Cidade do México. A Sinfonia Número 4 de Bruckner e o Concerto de Percussão de Agua de Tan Dun, com o percussionista principal da Orquestra Christopher Lamb, também farão parte do programa. As Quatro Últimas Canções de Strauss serão interpretadas pela soprano americana Christine Brewer e pela inglesa Felicity Lott. O maestro Masur ocupa o cargo de diretor da orquestra desde 1991. Para ele, ela é "uma das melhores do mundo". Assinalou que na turnê latino-americana os músicos tocarão com o "mesmo espírito e o mesmo compromisso que mostramos em nossas atuações em Nova York". E explicou que a escolha do repertório levou em conta o tipo de platéia, assim como as experiências colhidas em concertos anteriores. "Por minha experiência sei que não se deve aborrecer uma platéia da América Latina", disse Masur, acrescentando que procurou informar-se a respeito das obras que seriam de maior interesse do público." Com essa seleção, apresento peças vibrantes, porque o público tem que sair da sala convencido de que valeu a pena ter assistido ao concerto". A última turnê feita pela Orquestra Filarmônica de Nova York na América Latina foi em 1997, também sob a direção de Masur. A primeira, foi em 1958, sob a regência de Leonard Bernastein. Fundada em 1842, é a única orquestra do mundo a ter executado seu concerto de número 13 mil, no dia 18 de fevereiro de 1999. Ela realiza cerca de 170 concertos a cada ano para um público de aproximadamente um milhão de pessoas e chega a atingir 15 milhões de espectadores através das transmissões televisivas do Lincoln Center de Manhattam, segundo dados divulgados pela entidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.