Filarmônica de Minas mostra sua evolução na Sala São Paulo

Mechetti mora há 28 anos nos EUA, assumiu a orquestra em 2007 e é um dos cotados para suceder Neschling

Pedro Henrique França, de O Estado de S. Paulo,

04 de setembro de 2009 | 10h35

Há pouco mais de dois meses, o paulistano Fabio Mechetti esteve à frente da Osesp, a principal orquestra do país. Era um status diferente de quando estreou com a mesma orquestra em 1979. Naquele ano, a Sala São Paulo não existia nem no papel e o maestro ainda era um profissional pouco conhecido. Muito aconteceu desde então.

 

Neste sábado, 5, e domingo, 6, ele está de volta a São Paulo. Desta vez, com a Filarmônica de Minas Gerais. Em sua estreia na Sala São Paulo, a orquestra executa obras de Maria von Weber (‘Oberon: Abertura’) e Schubert (‘Sinfonia nº 5’). O violoncelista Antonio Meneses participa no sábado de ‘Don Quixote’, de Strauss. Mechetti ainda rege a Osesp dias 18 e 19/9. Radicado há 28 anos nos Estados Unidos, onde comanda a Sinfônica de Jacksonville, na Flórida, o maestro acumula há dois anos a direção artística da Filarmônica de Minas. Isto é possível porque as duas temporadas não coincidem.

 

Da orquestra estadual mineira, Mechetti aproveitou 35 instrumentistas. Outros 50 (do país e de fora) foram integrados ao elenco. Em um ano e meio, o maestro colocou a orquestra no cenário internacional, foi cogitado para suceder John Neschling na Osesp e venceu o Prêmio Carlos Gomes. "Fico honrado, mas não sou de fazer média, nem mídia", diz. Mas prossegue: "Devemos nos equiparar à Osesp em cinco anos." Para tanto, faltariam apenas mais recursos e uma sala própria. Tal como foi com a Osesp há alguns anos.

 

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Onde: Sala São Paulo (1.484 lug.). Pça. Júlio Prestes, 16, Luz, 3223-3966

Quando: Sábado, 5, às 21 horas; e domingo, 6, às 11 horas

Quanto: R$ 20/R$ 40 (dom., R$ 20)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.