Festival Dogma mostra a nata da cena indie e experimental em São Paulo

Festival Dogma mostra a nata da cena indie e experimental em São Paulo

Criado pela Dueto Produções, de Monique Gardenberg, evento ocupa o Sesc Pompeia, a partir desta quinta, 27, com atrações nacionais e estrangeiras

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 03h00

Diretora e produtora, Monique Gardenberg tem know-how em erguer festivais de música como poucos no País. Foi por meio de sua empresa, a Dueto Produções, que ela criou eventos históricos, como Free Jazz Festival e Tim Festival. Com carreira também dedicada ao cinema e ao teatro, Monique está de volta ao formato.

Com produção do Sesc, a partir de uma criação da Dueto, tem início nesta quinta, 27, o Festival Dogma, que será realizado até 6 de julho, no Sesc Pompeia (R. Clélia, 93; R$ 50), incluindo Comedoria, Teatro e Deck. O diferencial desta vez? O festival foi idealizado para colocar no palco artistas importantes da cena independente e experimental, tanto nacional quanto internacional. 

Para reunir a crème de la crème na programação, Monique contou novamente com a curadoria de Hermano Vianna e Ronaldo Lemos – que, agora, ganhou o reforço do diretor de teatro Felipe Hirsch. Norteados pela proposta de surpreender o público brasileiro com uma combinação de novos sons, ideias e ousadia, eles chegaram a 14 artistas, que se vão apresentar ao longo de seis dias de festival. E que valem a pena ser conhecidos – e vistos ao vivo. 

“Tanto eu quanto o Hermano e o Ronaldo tínhamos saudade de trazer novos nomes ao Brasil, artistas que não são conhecidos aqui”, conta Monique, referindo-se a uma das missões do Tim Festival, realizado entre 2003 e 2008 e que tinha um palco, o Lab, dedicado à cena indie. Com o Festival Dogma, a equipe retoma esse braço do saudoso Tim Festival. Entre as atrações do novo evento, está a banda Senyawa, da Indonésia, que abre o festival, nesta quinta, 27, às 21h30, mesclando tradições folclóricas e música experimental.

No dia 28, o coletivo canadense A Tribe Called Red faz show misturando reggae, hip-hop, entre outras sonoridades. 

No dia 29, é a vez da cantora baiana Majur, que foi elogiada por Caetano Veloso (“É um negro lindo, não binário, canta muito”) e que participou da potente canção AmarElo, com Emicida e Pabllo Vittar. No mesmo dia, também sobe ao palco o jovem cantor sul-africano Nahkane. Ao se referir a ele, o The Guardian afirmou: “Há uma ousadia irresistível no cantor sul-africano em ascensão, que abandonou a religião e abraçou sua sexualidade”. 

No dia 4 de julho, destaque para o músico egípcio Ahmed El Ghazoly, o Zuli, que alia ritmos como hip hop e techno com sonoridades árabes. Ben LaMar Gay, que transita por vários estilos, como indie rock, ritmos brasileiros e eletrônico, se apresenta no dia 5 de julho.

E, no dia 6, a banda suíça Zeal & Ardor, que mistura black metal com soul, blues e gospel, encerra o festival. A programação traz ainda o produtor americano Yves Tumor, que se apresenta com o cantor americano Hirakish; a dupla sul-africana Faka; a banda brasileira Teto Preto; Chino Amobi, americano filho de pais nigerianos; Mariá Portugal, baterista e produtora musical; o compositor e produtor Vitor Brauer; e o trio de música eletrônica carioca Tantão e os Fita. 

Monique conta que a ideia do festival nesses moldes nasceu de uma brincadeira dela que foi levada a sério por Jeffrey Neale, um de seus sócios na Dueto. No ano passado, a proposta foi apresentada a Danilo Santos de Miranda e Rosana Cunha, do Sesc, que abraçaram o projeto. "A inovação e a busca por artistas que representem novas vozes são norteadores essenciais no trabalho do Sesc SP. Nesse sentido, o festival Dogma oferece um recorte de uma cena mundial que se debruça sobre temas de extrema importância para os dias atuais e traduz em suas estéticas a dinâmica desse debate no Brasil e no mundo", afirma Danilo. 

E o que guiou a curadoria nessa radiografia global da música independente relevante? Além de levarem em conta quesitos fundamentais para viabilizá-lo, como valor de cachê e artistas que topassem trabalhar com técnicos locais, algo foi primordial: o olhar para o novo. “É um mundo inteiro que não está sendo visto e é importante”, diz Monique, que já negocia levar o festival para fora do Brasil.

Veja os clipes de algumas das atrações: 

Majur


A Tribe Called Red


Faka


Nakhane


Tantão e Os Fita


Zeal & Ardor


 

Tudo o que sabemos sobre:
Monique GardenbergFestival Dogma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Netflix divulga as 5 séries internacionais preferidas do público brasileiro
  • Após afastamento, Laura Cardoso deve voltar às gravações de 'A Dona do Pedaço' nesta semana
  • Maria Joaquina de 'Carrossel', Ludwika Paleta posta foto com filho e recebe elogios de fãs
  •  Lollapalooza Brasil 2020: confira o line up por dia 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.