Festival de world music agita São Paulo

Depois de dar a largada sábado, no Recife, com mais de 20 mil pessoas na platéia sob chuva, o Philips Music World Festival chega a São Paulo trazendo músicos da world music de diversos países. Parte dos artistas que vão mostrar sua obra no Brasil sobe ao palco hoje no Directv Music Hall, em Moema, onde os paulistanos poderão ouvir a música do Vietnã e da República do Congo, por exemplo. "Para que fazer um festival de rock, pop, eletrônica? Isso o show biz já faz de monte. Vamos fazer um festival com gente que sabe o que é música, que são maestros, disputadíssimos nos festivais europeus, premiados", diz o organizador da mostra, Toy Lima (também promotor do Chivas Jazz Festival e do Heineken Concerts, e curador do Rock in Rio Lisboa para a Tenda Raízes). Hoje sobem ao palco o norte-americano Jack Dejohnette e o tocador de kora Foday Musa Suso, nascido numa família tradicional de griots, trovadores da Gâmbia, África Ocidental; o guitarrista parisiense de origem vietnamita Nguyên Lê; e o multiinstrumentista Ray Lema, da República do Congo, cuja apresentação terá direito a participação especial de Chico César, com quem Lema ensaiou durante cinco dias em Paris. Considerado um dos maiores inovadores da guitarra na música contemporânea, Nguyên Lê vai homenagear o norte-americano Jimi Hendrix, um dos maiores ícones contra a Guerra do Vietnã. Um dos mais conhecidos músicos no circuito de world music, Ray Lema preparou uma apresentação com uma banda de oito músicos. O festival também oferece a segunda temporada da turnê que reúne os versáteis músicos Foday Musa Suso e Jack DeJohnette, que participou do antológico disco Bitches Brew (1969), de Miles Davis, que rompeu a barreira entre jazz, rock e música étnica. Para o Philips Music World Festival, eles prometem uma versão melhorada da aclamada apresentação que fizeram no Festival de Jazz de Montréal no ano passado.Philips Music World Festival - Directv Music Hall. Avenida Jamaria, 213, Moema, 6846-6040. Hoje, às 21 horas. R$ 30 a R$ 60.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.