Festival de Salvador tem segundo dia eclético

Na terra em que Jorge Amado saudou as moquecas do restaurante Sorriso da Dadá, prossegue o mais animado festival de pop rock do País, o Festival de Verão de Salvador, jornada ultradisputada e supercivilizada que rola na capital baiana até domingo, no Parque de Exposições da cidade, em Itapoã. O segundo dia trouxe um cast eclético, que ia do pop rock saudosista dos anos 80 ao drum?n?bass mais doméstico, em tendas de música eletrônica. Abaixo, um breve resumo do que rolou nesse dia.Margareth Menezes ? Cem vezes melhor que suas sucedâneas (ou contemporâneas, como prefiram) Daniela Mercury e Ivete Sangalo, Margareth caiu na mesma cilada que outros colegas baianos seus, e trouxe Arnaldo Antunes para fazer uma ponta no seu espetáculo no festival. Arnaldo quebrou um pouco o ritmo da cantora, assumindo um set de seis canções. O ex-titã é o ?estrangeiro? bem-aceito pela família baiana, mas não conseguiu evitar o populismo: incluiu até a onipresente Já Sei Namorar, sucesso dele, de Marisa Monte e Carlinhos Brown, no seu set. Kid Abelha ? 20 anos depois, é um espanto ver que ainda funciona o refrão ?tira essa bermuda que eu quero você sério?. Quarentona, Paula Toller, crooner do Kid Abelha, reina soberana no pop nacional, hoje tendo como sombra apenas Fernanda Takai, do Pato Fu. Fazendo um medley de números acústicos, do seu recém-lançado Acústico MTV, e versões standard de sucessos dos anos 80, ela sempre faz a platéia feliz.Berimbrown ? Engraçado ver como essas bandas de uma safra belohorizontina definiram primeiro como deveriam ser suas roupas e cabelos e o layout para depois irem em busca de algum som original. A inversão de prioridades quase sempre deu errado. O Berimbrown, que já tentou emplacar em outras praças, é uma espécie de Jota Quest com cabelo black power. Bebe um pouco na fonte quase esgotada do mangue beat, mistura berimbau com funk ortodoxo, mas o resultado foi pouco para levantar o Palco Pop (como foi definido no Festival de Verão de Salvador o palco para os grupos emergentes).Asa de Águia ? A Bahia é realmente um planeta diferente. Grupo essencialmente talhado para trio elétrico, sem nenhum talento especial, o Asa de Águia manteve hipnotizado o público molhado do Festival de Verão ? as chuvinhas expurgam o calor e acirram os ânimos, além das caipirinhas de sirigüela. Cidade Negra ? Grupo que já experimenta uma sobrevida formidável, dada a alta redundância do seu som. O motivo é claro: adapta-se ´zelignianamente´ às circunstâncias, do Farol da Barra ao Jardim de Alá. Na Bahia, o ponto alto do seu show foi justamente Pepeu Gomes, Eu Também Quero Beijar.Gilberto Gil ? A apresentação do ministro-notável tropicalista foi um capítulo à parte. "O show já está bem ensaiado", disse Gil, que só reviu sua banda no palco, depois de um mês de gabinete. Minto: na mesma quinta-feira, batizara a filha do seu percussionista, Leonardo Reis. No concerto, fez sua elegia já conhecida a Bob Marley, um guerreiro que só dava "tiros espirituais". O show funciona muito melhor para a multidão do que nos palcos elitistas de São Paulo. Cantou 15 músicas, ameaçou fechar o show com Esperando na Janela ("E agora, pra gente ir pra casa bem sossegadinho, pega a menina do lado e vamos dançar um xotezinho", conclamou). Mas acabou fechando mesmo com um terceiro bis, Toda Menina Baiana. Veja abaixo como foi o set list do ministro-pop star.1. Time Will Tell2. Three Little Birds3. No Woman no Cry4. Kaya5. A Novidade6. Positive Vibrations7. A Novidade8. Waiting in Vain9. Extra10. Barracos11. Is this Love?12. Could You Be Loved13. Alagados14. Sítio do Picapau Amarelo15. Esperando na Janela16. Toda Menina Baiana

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2003 | 10h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.