Festival de percussão reúne atrações de três continentes

A 20ª edição do PercPan, Panorama Percussivo Mundial, em Salvador, mostra uma fusão de culturas

Julio Maria - Salvador, O Estado de S. Paulo

27 de julho de 2014 | 20h28

Galícia, noroeste da Espanha, século 18. Aldeãs usam o que têm às mãos para criar música. Suas vozes quase sempre tristes ecoam longe e seus ritmos saem de frigideiras, enxadas, conchas e latões. Mais mulheres chegam e o canto de acento árabe ganha força. 

Quando percebem, já são um batalhão. Aldeia de Itapuã, Bahia, século 19. Senhoras negras, ex-escravas, vivem sua liberdade recém-conquistada equilibrando balaios com peixe sobre a cabeça em longas caminhadas. Só recebem aquelas que vendem mais do que o mínimo exigido pelos patrões. Usam saias coloridas e cantam nas ruas para todos os santos o que antes só ouviam nos terreiros.

Pelourinho, Salvador, noite do último sábado. Cinco cantoras da Galícia estão terminando um espetáculo quando levam um susto com o barulho dos fogos de artifício.

A plateia abre um corredor e surge uma procissão de baianas. A primeira canta, outra leva uma santa, e mais 19 caminham até o palco. Sobem, abraçam as espanholas e ficam lado a lado para não deixar a tradição das mulheres de suas terras desaparecer. Quando percebem, já são um batalhão.

Se a segunda noite do PercPan não fosse a de um festival, seria um filme. Depois da abertura, na sexta, com grupos de percussão vocal, exceto o show de Mano Brown, o sábado foi das mulheres que libertaram e definiram expressões criadas pelo impulso rítmico. E que jamais vão aparecer nos livros de história.

Da Galícia, o Leilía; da Guiné Conacri, a cantora Sayon Bamba; e, da Bahia, as Ganhadeiras de Itapuã, Banda Didá, Orquestra Obinrin e a cantora Margareth Menezes. Estavam previstos para ontem, no encerramento, shows de Marcio Victor & Samba Chula de São Braz e do rapper Marcelo D2.

Os curadores José Miguel Wisnik, Letieres Leite e Alê Siqueira, com consultoria do jornalista Hagamenon Brito, trabalharam uma costura bem-feita, fazendo com que uma atração encontrasse a outra no palco para um diálogo de uma ou duas canções antes de seguir com o novo show. Da primeira à última atração, não houve pausa.

As mulheres do Leilía, com mais de 25 anos de estrada e discos que misturam as vozes das antigas aldeãs com instrumentos elétricos, foram às origens, cantando em galego e tocando percussão da mesma forma que as primeiras pandereiteiras. Mostraram Verdegaio, Danzas e O Meu Amor com uma força de tirar silêncio dos baianos.

Com as Ganhadeiras de Itapuã, cantaram duas canções, e deixaram o palco para um espetáculo arrebatador que uniu três gerações de baianas, cantoras e dançarinas, acompanhadas por um grupo cheio, com percussão, baixo, violão e bandolim. Seu primeiro disco está saindo agora, gravado no estúdio de Guilherme Arantes, com produção de Alê Siqueira.

A Banda Didá, a primeira formação rítmica de mulheres na Bahia (antes de surgirem, em 1993, só havia grupos com homens), agradeceu ao seu criador, Neguinho do Samba, e reforçou sua história. “Nós somos a verdadeira cor desta cidade”, disse uma das ritmistas.

As 13 mulheres vestidas de vermelho elevaram a temperatura com as batidas do samba reggae e chamaram Margareth Menezes.

A cantora baiana fez seu show com e sem a Didá e participou ainda da apresentação da africana Sayon Bamba, da Guiné, que trouxe nas entrelinhas de seu afrobeat e afropop, desenhados pelo groove de uma big band de sopros, baixo, guitarra e bateria, um discurso de resistência.

Sayon, que vive em Marselha há dez anos, foi criada nos anos da ditadura do presidente Sekou Touré, que libertou seu país dos franceses para amordaçá-lo na intolerância, entre 1958 e 1984. Sayon, no palco, se torna uma explosão da natureza.

Na sexta, Brown adiantou seu projeto solo, sem os Racionais, chamado Boogie Naipe. Quem estava ali era um rapper de pista, mais da dança do que da reflexão, embora ele diga o seguinte em um texto para a imprensa:

“Considero essas músicas tão politizadas quanto as outras, ampliando a visão das pessoas para fora e para dentro de si mesmas”. O disco do Boogie Naipe só vai sair depois do próximo disco dos Racionais, gravado nos Estados Unidos, previsto para este ano. Deve contar com uma parceria com Guilherme Arantes, participação de Seu Jorge e arranjo de Arthur Verocai. 

Tudo o que sabemos sobre:
PercPanMúsica: Percussão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.