Festival de Campos do Jordão, 83 concertos

Estudantes também sobem ao palco do evento que mistura gêneros, estilos e épocas

01 de julho de 2010 | 06h00

Orquestra acadêmica regida por Roberto Minczuk, em Campos. Foto: Rachel Guedes/Divulgação

 

João Luiz Sampaio e João Marcos Coelho

 

SÃO PAULO -  O diálogo é inerente à música. É com esse credo que começa no sábado a 41.ª edição do Festival de Inverno de Campos do Jordão. E ele oferece o mote para 83 concertos, que serão realizados até o dia 1.º de agosto - quase o dobro de anos anteriores. O aumento do número de apresentações é apenas uma das novidades do evento para este ano: a Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) passa a atuar como orquestra residente; concertos serão realizados também em São Paulo; há uma ênfase na música contemporânea; e o programa tentará aproximar mais público, alunos e professores.

 

"Tentamos não apenas valorizar os pontos fortes de edições anteriores, mas fazê-lo agora de uma maneira mais consciente e institucional", explica Paulo Zuben, diretor do evento, que agora é gerido definitivamente pela Santa Marcelina Cultura, organização cultural que dita os caminhos do ensino musical no Estado. "Fizemos alterações estruturais. Não quisemos apenas aumentar o número de concertos , mas oferecê-los a preços populares ou mesmo gratuitamente. Buscamos desenvolver uma nova proposta pedagógica em que o aluno é o centro das preocupações da organização do Festival, dando a ele mais aulas individuais com inúmeros professores brasileiros e estrangeiros, mais atividades de música de câmara, mais oportunidades de se apresentar durante a programação do festival e, também, organizando melhor a distribuição de suas atividades, com mais tempo para ensaios, estudos e as atividades dos bolsistas na Orquestra do Festival, que neste ano terá a presença apenas de alunos."

 

Eleazar. Para tanto, o evento buscou firmar parcerias com outras instituições musicais, explica Zuben. "Trouxemos ao festival parceiros como o Conservatório de Paris e a Escola Superior de Música de Colônia, e insistimos na vinda da Osesp como orquestra residente, retomando aqui uma história iniciada pelo maestro Eleazar de Carvalho em 1973 e interrompida nos últimos anos por desentendimentos pessoais." Para Zuben, um dos objetivos é buscar o equilíbrio entre duas vocações do festival de Campos, a formação e a difusão cultural.

 

Solistas de peso. Entre os artistas convidados, estão solistas de peso - o violinista Gilles Apap e Luis Otávio Santos, os pianistas Maria João Pires, Nelson Freire e Paulo Álvares; os violoncelistas Antonio Meneses. Diana Ligeti e Marc Coppey, o oboísta Albrecht Meyer; conjuntos estrangeiros, como a Akademie für Alte Musik, de Berlim, o Quarteto Arditti, os Musiciens du Saint-Julien, o trio La Gaia Scienza; e orquestras brasileiras, como a Camerata Aberta, a Filarmônica de Minas Gerais, a Sinfônica de Sergipe e a Sinfônica Juvenil da Bahia.

 

Mistura. Os programas misturam gêneros, estilos e épocas. "Toda música pode ser percebida como um diálogo entre culturas, lugares e épocas distintas, entre tradições orais e escritas, e, principalmente, de compositores, intérpretes e ouvintes", diz Zuben. "O tema dos diálogos é um bom ponto de partida para retomar no festival a música renascentista e barroca, bem como trazer a música contemporânea para mais perto do público. E isso tudo sem perder espaço para as vertentes clássico-românticas mais convencionais nas programações anteriores, e que neste ano estão representadas principalmente por Schumann, Chopin e Mahler. Assim, temos neste ano desde o concerto da Akamus - uma leitura contemporânea de obras barrocas -, e o concerto de Gilles Apap - com seu modo de interpretar e realizar suas transcriações de canções folclóricas ao mesmo tempo em que também faz dois concertos de Mozart com cadenzas muito pessoais -, até concertos com obras ‘clássicas’ e mais ‘contemporâneas’ do século 20, como o proposto pelo maestro Yan Pascal Tortelier para a Orquestra do Festival, com o Pássaro de Fogo de Stravinsky, Timbres, Espace, Mouvement de Dutilleux e As Quatro Estações Portenhas de Piazzolla." Veja a programação completa está no site do festival. (João Luiz Sampaio)

 

Uma mudança bem-vinda de foco

 

A mudança de foco do festival permite a presença de músicos essenciais em Campos. E que mudança de foco é esta? Simples: um festival é, além dos concertos, um espaço para as músicas do nosso tempo. Os concertos mais instigantes distribuem-se de segunda a quinta e as apresentações ao gosto de públicos mais amplos preenchem o fim de semana.

 

O Quarteto Arditti, por exemplo, está para a música contemporânea assim como o Alban Berg Quartet está para Mozart e Beethoven. Apenas em 2010 eles lançaram um álbum duplo com cinco quartetos e um trio do compositor francês radicados nos EUA Pascal Dusapin, de 55 anos (selo Aeon); o primeiro volume da integral dos quartetos do espanhol Cristóbal Halffter, 80 anos (selo Anemos); e acabam de lançar, este mês, Spiral of Light, com música contemporânea portuguesa (selo Etcetera). Ou seja, estão no clímax de uma carreira formidável.

 

Outros músicos presentes em Campos e São Paulo aos quais vale a pena atentar. Albrecht Meyer, primeiro oboísta da Filarmônica de Berlim, acaba de lançar dois CDs: um convencional, Voices of Bach, com English Concert e Trinity Baroque Choir (Decca); outro contemporâneo, com a música de câmara de Penderecki, polonês de 76 anos (DUX). O contrabaixista Herbert Mayr, spalla dos contrabaixos da Filarmônica de Viena, participa de um CD admirável, Bass Instinct, onde um sexteto de contrabaixos toca peças de um deles, Peter Herbert, e até uma de Charlie Mingus (Mediations).

 

Gilles Apap, o violinista francês, chuta no popular e no erudito - e vai mostrar isso em Campos. No primeiro quesito, escorrega para um crossover descartável (No Piano on That One, selo Apapaziz); mas no segundo sai-se muito bem na versão com quarteto de cordas de um concerto para violino e piano de Haydn, ao lado de Andreas Fröhlich ao piano e o Delian Quartet (CD Oehms). Viola do Ensemble InterContemporain, Christophe Desjardins lançou em fevereiro passado o álbum duplo solo Alto/Multiples (Aeon), onde vai de Hindemith a Berio, de Grisey a Nunes e Elliott Carter. (João Marcos Coelho

Mais conteúdo sobre:
Festival de Campos do Jordão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.