Marcos Hermes
Marcos Hermes

Festival de Bonito valoriza artistas locais e faz apresentações em assentamentos

Sem grandes patrocinadores, organizadores contam com projetos que vão às periferias atender moradores carentes

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2019 | 06h00

Sem verbas milionárias de patrocínio e com uma valorização rara das atrações locais, mesmo tendo grandes nomes nacionais no elenco. O Festival de Inverno de Bonito, no Mato Grosso do Sul, pode ter o que ensinar ao País em anos de poucos investimentos e esvaziamento de políticas culturais. As atrações vão se apresentar entre 25 e 28 de julho, com shows musicais, espetáculos de artes cênicas, incluindo teatro infantil de bonecos, teatro de sombras, dança vertical, circo de variedades e teatro popular. Muitas serão no Palco da Praça, no Centro de Bonito.

Os grandes nomes confirmados são Gal Costa, Lenine, BNegão, BaianaSystem, Karina Buhr, Christian & Ralf, Antonio Nóbrega e artistas locais, como o violonista Murilo Martinez e o cantor, compositor, arranjador e violonista Guilherme Rondon, da banda Urbem, que faz uma mescla de ritmos ternários da fronteira, como guarânias, polcas e chamamés, que dialogam o tempo todo a linguagem do jazz.

Atacar em todas as frentes para compensar a defasagem cultural do momento é uma bandeira, segundo Mara Caseiro, diretora-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. “O Festival não é só música, é uma interação entre os povos. Além de promover nossa cultura local para outras partes do País e do mundo, também é um grande movimentador econômico para Bonito para receber turistas”, ela diz, em um texto de divulgação do projeto. Muitas atrações da cidade vão se apresentar no palco especial Balneário Municipal, como Xiru Gaiteiro, Marcia Cordeiro, Matu Miranda e outros.

O Festival terá ainda na programação feira de artesanato, espaço de economia criativa, galeria de artes visuais, contação de história, oficinas de arte, cinema e animação, literatura, mostra de arte de rua, circo, lounge gastronômico, um observatório de astronomia além de palestras com temas como Ferramentas de Desenvolvimento Sustentáveis do Ecoturismo ou rodas de conversa ao longo do evento. Uma outra característica de inclusão do projeto são os espetáculos cênicos que vão às periferias encenar peças para assentamentos de pessoas sem teto da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.