Nuno Guimarães/REUTERS
Nuno Guimarães/REUTERS

Festival Amazonas de Ópera abre 20ª edição com música e debates

Evento em Manaus vai apresentar óperas como ‘‘Tosca’, de Puccini, Maria Stuarda, de Gaetano Donizetti, e ‘Alma’, de Claudio Santoro,

João Luiz Sampaio, O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2019 | 03h00

O Festival Amazonas de Ópera abre nesta sexta-feira, dia 26, a sua vigésima segunda edição, em Manaus, apostando na diversidade de repertório – e pensando também fora do palco a respeito das possibilidades do gênero, com um simpósio sobre ópera e economia criativa

“Manaus tem sido um laboratório. Com liberdade de criação, nos demos conta ao longo do tempo que a ópera tem um apelo gigantesco para todos os públicos”, informa o maestro Luiz Fernando Malheiro, diretor artístico do evento. “Você pode experimentar no repertório e o público vai, se interessa, gosta.”

A abertura oficial começa hoje com uma versão em concerto de Ernani, de Verdi, no Teatro Amazonas. Ao longo de maio, outros quatro espetáculos serão realizados. Serão três óperasTosca, de Giacomo Puccini (com Malheiro e direção de Jorge Takla), Maria Stuarda, de Gaetano Donizetti (com regência de Marcelo de Jesus e direção de Davide Garattini), e Alma, de Claudio Santoro (regência de Jesus e Otávio Simões e direção de Julianna Santos).

Há ainda o espetáculo Mater Dolorosa, com direção de Atila de Paula, recitais, concertos e a série Ópera Delivery, com apresentações em diferentes espaços. 

O simpósio, por sua vez, vai reunir no dia 26 de maio, entre outros nomes, o secretário de Cultura do Amazonas, Marcos Apolo Muniz de Araújo, o secretário de Cultura e Economia Criativa de São Paulo, Sérgio Sá Leitão, o secretario executivo de Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Medeiros Pires, e a diretora executiva da Ópera Latinoamérica, Alejandra Martí, para discutir a relação da ópera com a economia criativa.

A organização é da produtora executiva do Festival Amazonas, Flávia Furtado, que em palestras e debates realizados em todo o Brasil tem defendido a ideia de que o gênero movimenta a economia e possui enorme potencial de crescimento no País. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.