Fergie, do Black Eyed Peas, diz ter tido experiências lésbicas

Fergie, cantora do Black Eyed Peas, disse já ter tido experiências lésbicas quando era mais jovem, o que fazia parte da sua rebeldia contra a rígida educação católica em que foi criada no seio familiar, caminho que também a levou a se tornar dependente de drogas. A cantora, de 32 anos, em entrevista ao jornal Daily Mirror, revelou que teve experiências com mulheres no passado. "Mas comecei tarde com o sexo, já tinha mais de 18 anos. Fui criada com uma rígida educação católica. Não sei com quantos homens fui para a cama, mas também não foram muitos, sou uma pessoa muito sensual". Fergie, que interpreta uma lésbica no novo filme de Quentin Tarantino Grindhouse conta que desenvolveu uma dependência por anfetaminas e disse ter muita sorte de ter sobrevivido a esse período. "Quando atravessava a minha fase ´fora de controle´, vi que podia me tornar muito perigosa. Mas nunca vendi o meu corpo. Nunca. Tive uma pistola apontada na minha cabeça em uma transação de drogas que acabou mal, mas tive sorte de escapar", disse.O Black Eyed Peas, grupo que estourou com o hit Where is The Love?, do álbum Elephunk? (2003), já vendeu mais de 16 milhões de discos pelo mundo todo. A banda se apresentou duas vezes no Brasil no ano passado. A primeira com a turnê Monkey Business em Curitiba, São Paulo, Porto Alegre e em Brasília, e depois em dezembro, no Réveillon, na Praia de Ipanema, Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.