FBI divulga últimos arquivos secretos sobre John Lennon

O FBI divulgou os últimos dez documentos que pertenciam a seus arquivos secretos sobre o assassinato de John Lennon, e que ficaram longe dos olhos do público por 25 anos supostamente para evitar ´retaliação militar´ contra os Estados Unidos, disseram na quarta-feira ativistas pela divulgação. Os arquivos continham apenas informações já bem conhecidas sobre as ligações de Lennon com líderes esquerdistas e grupos pacifistas de Londres em 1970 e 1971, disseram Jon Wiener, que é professor de história na Universidade da Califórnia em Irvine, e a seção do sul da Califórnia da União Americana das Liberdades Civis."Hoje vemos que as alegações de segurança nacional que o FBI vinha fazendo há 25 anos sempre foram absurdas. O arquivo de Lennon no FBI é um caso clássico de segredo excessivo por parte do governo", disse Wiener num comunicado.Entre os documentos divulgados há um que afirma que Lennon "encorajou a crença de que possui visões revolucionárias ... pelo conteúdo de algumas de suas músicas".Outro, diz que o ex-Beatle fez campanha pacifista e prometeu financiar uma livraria de esquerda em Londres. Um terceiro, descreve uma entrevista com Lennon ao jornal Red Mole de Londres, na qual o cantor "enfatizou seu histórico proletário e sua solidariedade para com os oprimidos e desfavorecidos da Grã-Bretanha e do mundo".Wiener requisitou os arquivos pela primeira vez em 1981. Depois de uma batalha judicial que chegou até a Suprema Corte, ele conseguiu a liberação de mais de 300 páginas de arquivos sobre Lennon em 1997.Mas dez documentos continuaram secretos, sob a alegação de que afetavam a segurança nacional. O FBI disse a tribunais norte-americanos em 1983 que a divulgação desses documentos poderia "levar a retaliações diplomáticas, econômicas e militares contra os Estados Unidos".Wiener, que detalhou sua campanha num livro que serviu de base para o documentário The U.S. versus John Lennon (Os Estados Unidos contra John Lennon), publicou os documentos na página www.LennonFBIfiles.com. "Duvido que o governo de Tony Blair lance um ataque militar contra os Estados Unidos em retaliação à liberação desses documentos", disse Wiener.Lennon, autor do tema pacifista Imagine, foi assassinado em Nova York em dezembro de 1980, por um fã perturbado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.