Fatboy Slim é o astro onipresente do pop

Quem apostava que Fatboy Slim não conseguiria repetir o sucesso de seu primeiro disco enganou-se. Cada vez mais o inglês se firma como estrela onipresente da música eletrônica, um DJ com poder de mercado suficiente para realizar ambiciosos e inovadores projetos, mas que também participa de eventos e festas underground ao redor do mundo. Ele acaba de lançar um novo clipe dirigido por Spike Jonze e estrelado por Christopher Walken, além de estar por trás de um álbum com as versões originais das músicas que sampleou em seus hits.Nas horas vagas, Fatboy Slim, cujo nome verdadeiro é Norman Cook, vai para trás das picapes. No domingo ele estava em Los Angeles animando a festa pós-Oscar da Vanity Fair no Morton´s, e no sábado estava sendo uma das atrações principais do Winter Music Conference, o maior encontro da música eletrônica, realizado em Miami anualmente.O DJ repete a trajetória de Moby e Chemical Brothers, que conseguem marcar presença simultânea no mainstream e no semi-underground - mas com muito mais talento para o jet set. Slim é, como ninguém, mestre das picapes e das relações públicas. É hoje também um artista com o poder de ser a atração principal de festivais como o Coachella Valley Music and Arts Festival, no dia 28 de abril, na cidade de Indio, Califórnia, que vem se tornando um dos mais importantes dos Estados Unidos. Slim assume o posto principal do evento ao lado do Jane´s Addiction e do Chemical Brothers, enquanto em um palco secundário estarão St. Germain, Kruder & Dorfmeister e Aphex Twin.O poder estelar do DJ também foi suficiente para convencer o ator Christopher Walken (de O Rei de Nova York e Caminhos Violentos, entre outros) a aparecer no clipe de Weapon of Choice, que marca a segunda colaboração de Slim com Spike Jonze, o diretor de Quero Ser John Malkovich, responsável pelo premiado vídeo de Praise You.E para quem ainda acusava Fatboy Slim de ser uma espécie de Puff Daddy da electrônica, por conta do uso de samples em seus hits, ele resolveu surpreender mais uma vez. Chega ao mercado internacional nas próximas semanas o disco A Break From the Norm, que traz 16 versões originais de músicas dos anos 60 e 70 que foram usadas em seus trabalhos. O álbum contém, por exemplo, Take Yo´ Praise, de Camille Yearbrough, usada em Praise You; Love Loves to Love Love, de Lulu, que aparece em Santa Cruz; e Sliced Tomatoes, dos Just Brothers, que está em Rockafeller Skank.Oportunismo ou não, Slim é o primeiro artista do mainstream a assumir o uso de material de terceiros em seu trabalho de uma maneira tão explícita. "É bom ver esses artistas que algumas vezes eu reposicionei com tanta crueldade em minhas músicas ganhar um pouco de exposição", disse o DJ em um comunicado à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.