Eugene Garcia/ EFE
Eugene Garcia/ EFE

Fãs mantêm viva a lenda de Jim Morrison, que completaria 75 anos

Seu túmulo, rodeado por uma cerca metálica, não necessita de datas especiais para ser habitualmente o mais visitado

Marta Garde, EFE

08 Dezembro 2018 | 17h38

Jim Morrison completaria 75 anos neste sábado,3, e o carinho dos fãs ao se depararem com o túmulo no cemitério Père Lachaise de Paris, cidade onde o artista morreu no dia 3 de julho de 1971, mostra que, longe de extinguir a lenda, a morte do ex-vocalista da The Doors apenas o engrandeceu.

Flores frescas e garrafas de bebidas alcoólicas estão constantemente sobre a sepultura, isso sem falar nas inúmeras visitas de fãs e turistas que contrastam com a calma nos demais túmulos.

O universo do rock ainda chorava pelas mortes quase consecutivas de Jimi Hendrix e Janis Joplin - que, como ele, também morreram aos 27 anos - quando James Douglas Morrison, popularmente conhecido como "O Rei Lagarto", se instalou na capital francesa com a namorada, Pamela Courson.

O Morrison obeso e alcoólatra que em março de 1971 se refugiou dos seus problemas pessoais e jurídicos em Paris se distanciava muito daquele que se tornou um ídolo das massas, que aplaudiam sua entrega e irreverência.

Um ano antes de ser encontrado morto na banheira do seu apartamento pela companheira, o artista foi condenado a seis meses de prisão por conduta obscena durante um show em Miami, mas o pagamento de uma fiança de US$ 50 mil o deixou em liberdade.

Em 2010, em meio às dúvidas que cercaram esse polêmico incidente, Morrison ganhou um perdão póstumo.

A certidão de óbito declarou que o músico morreu devido a uma parada cardíaca, mas a ausência de uma autópsia deu força aos críticos da versão oficial. Há quem diga inclusive que ele nunca morreu, e outros que defendem que o pai dele tirou o corpo do caixão e o repatriou clandestinamente aos Estados Unidos.

"Sua música foi importante em todos os aspectos, tanto para as novas gerações como para os mais velhos. Acredito que é tão universal e tão atual que ainda mantém sua essência, e por isso é tão importante vir aqui", explicou Emmanuel Medrano, um turista mexicano de 31 anos.

Músicas como Riders On The Storm, Light My Fire, Hello, I Love You e Break On Through (To The Other Side), que o vocalista transformou em hinos de várias gerações, fazem parte do legado de Morrison, um poeta frustrado e admirador de Baudelaire e Rimbaud.

Embora muitos dos fãs desconheçam que Morrison nasceu em 8 de dezembro de 1943 em Melbourne, na Flórida, seu túmulo, rodeado por uma cerca metálica, não necessita de datas especiais para ser habitualmente o mais visitado.

 

Mais conteúdo sobre:
Jim Morrison

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.