Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Às vésperas do Enem, fãs de Justin Bieber acampam para show de março

Turnê do cantor já tem casos de venda de ingressos falsos

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

03 Novembro 2016 | 10h09

RIO - O que é prioritário na vida de um jovem de 19 anos, preparar-se para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será neste fim de semana, ou acampar no portão do Sambódromo do Rio, para estar na primeira fila do show do cantor canadense Justin Bieber, marcado para daqui a cinco meses? O estudante Luan Freitas não titubeia: "A prioridade é o Justin". Ele pretendia se instalar ali com sua barraca "apenas" em janeiro. Mudou de ideia ontem à tarde. "Um print de uma conversa vazou, e descobrimos que um grupo de 150 pessoas estava vindo para cá. Peguei minha mochila, coloquei um cobertor, uma muda de roupa, celular, dinheiro e vim passar a noite", contou o rapaz na manhã desta quinta-feira, 3, depois de dormir numa barraca sem colchão, sobre um cobertor fino.

Luan faz parte de um grupo de cem pessoas que se articula pelo WhatsApp e o Facebook para garantir um bom lugar no show do dia 29 de março. Elas irão se revezar no portão do Sambódromo sob o viaduto que dá acesso ao Túnel Santa Bárbara seguindo uma planilha em que estão listados os horários de cada um. Quem faltar e não justificar será retirado da lista e perderá a vez na fila. Um outro grupo, de 30 pessoas, também está lá, no mesmo esquema: enquanto uns trabalham ou estudam de dia, outros, que têm mais tempo livre, permanecem no acampamento. À noite, começa outro turno. 

A alimentação é em estabelecimentos populares do entorno, onde os fãs usam também o banheiro. Banho é em casa ou numa pensão próxima, que cobra R$ 5. Os jovens dizem não temer assaltos, por estarem a cem metros do Batalhão de Choque da Polícia Militar - policiais já foram lhes fazer uma visita, e recomendaram que não ostentem telefones celulares, para não chamar a atenção de ladrões. Eles ainda não sabem como vão decidir quem ficará guardando o lugar nas noites de Natal e réveillon; tampouco se poderão ficar ali no carnaval, quando o fluxo de pessoas na Passarela do Samba é enorme.

"Minha mãe acha uma loucura passar tanto tempo aqui, e eu também achava. Mas não queria correr o risco de não ficar na grade (que separa o palco do público da pista premium). Esse mês me formo no curso técnico em segurança do trabalho. Depois do show, eu começo a procurar emprego, porque se arrumar antes, não vou poder me dedicar ao acampamento. Não acho que ficar aqui vá me prejudicar no Enem, porque vou estudar quando chegar em casa, de tarde. De qualquer jeito, já tenho uma profissão. Se não passar dessa vez, não tem problema, faço depois", disse o estudante, que mora na Rocinha e quer cursar "biologia ou relações internacionais". Ele desdenha dos críticos. "Quem xinga a gente é porque não conseguiu ingresso pro show ou quer vir acampar também, só que a mãe não deixa".

Os fãs garantem que não há qualquer menor de idade nos grupos: eles querem evitar o problema de 2013, quando a Vara da Infância e Juventude da capital proibiu a permanência dos "beliebers" de menos de 18 anos do lado de fora do Sambódromo. Na ocasião, a fila começou dois meses antes da apresentação. Luan estava lá, assim como Aline Silva, de 18 anos, a quem ele reencontrou na fila da compra do ingresso do show, no Metropolitan, na Barra da Tijuca, na segunda-feira. Lá, a espera foi de uma semana. 

A mãe de Aline a apoia; até a estimula. "Ela que viu no Facebook que já tinha gente planejando acampar, e me avisou. Eu não teria vindo se não fosse por isso. Minha mãe é a melhor mãe, traz comida, água, todo mundo aqui adora ela", elogiou Aline, que é formada em "maquiagem e penteado" e apaixonada por Bieber desde os 11 anos. "Não sei explicar. Não são só as músicas, o sorriso dele; a história de vida também é maravilhosa. Acham que a gente é maluco, mas entre ser maluca no fim da fila e no começo, prefiro estar no começo".

Já a mãe de Milena Sampaio, de 18 anos, novata no acampamento, só a liberou com a garantia de que ela não faltaria aulas na faculdade de moda, nem deixaria de ajudá-la com as tarefas domésticas. "Justin é o amor da minha vida, mas eu não vou deixar de cumprir minhas obrigações. Tenho aula de manhã e depois venho para cá." 

Os fãs, que pagaram R$ 375 pela meia entrada para o espetáculo, temem que a turnê "Purpose World" seja a última de Bieber a passar pelo País, daí a mobilização tão antecipada. "Ele não está bem psicologicamente", lamentou Luan.

Mais conteúdo sobre:
Justin BieberSambódromo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.