Christophe ARCHAMBAULT / AFP
Christophe ARCHAMBAULT / AFP

Fãs correm para comprar álbum póstumo do roqueiro francês Johnny Hallyday

A gravadora colocou à venda 800.000 exemplares - um número excepcional em tempos de música em streaming - do álbum "Mon pays c'est l'amour", o mais esperado do ano na França

AFP

19 Outubro 2018 | 18h05

Os fãs de Johnny Hallyday, a lenda do rock francês falecido por conta de um câncer há quase um ano, correram nesta sexta-feira (19) na França para comprar o seu álbum póstumo, transformado em disco de platina logo após o seu lançamento, no qual bateu todos os recordes.

A gravadora colocou à venda 800.000 exemplares - um número excepcional em tempos de música em streaming - do álbum "Mon pays c'est l'amour", o mais esperado do ano na França.

Nesta sexta-feira foram vendidos 300.000 exemplares físicos (CD e LP), uma cifra excepcional para o mercado francês para um primeiro dia de comercialização, anunciou à AFP a gravadora Warner Music France.

Johnny Hallyday foi uma instituição em seu país por cinco décadas, enchendo estádios até o final de seus dias. Faleceu em 5 de dezembro de 2017 aos 74 anos.

"O álbum já é disco de platina", ou seja, alcançou a cifra de 100.000 cópias, comemorou na rádio RTL o presidente da gravadora Warner, Thierry Chassagne, pouco após sair à venda o CD e vinil à meia-noite de quinta.

Os pedidos de compra antecipada já haviam lhe garantido essa marca, aos quais se somaram as primeiras compras dos fãs, alguns dos quais fizeram fila em lojas abertas para a ocasião durante a madrugada.

"Amava Johnny. Queria estar aqui por respeito. Estive na Champs-Élysées em dezembro, era importante voltar. Naquela ocasião passei a noite ao relento. Foi a primeira vez na minha vida que fiz algo assim", afirmou Edith, de 50 anos, lembrando a enorme homenagem feita ao cantor poucos dias depois de sua morte.

Para evitar vazamentos, a gravadora tomou medidas drásticas durante a fase de fabricação: todos os exemplares foram produzidos em apenas uma fábrica na Itália e "colocados em um local muito alto para que os funcionários não pudesse abri-los", segundo Chassagne.

A campanha promocional incluiu a participação em um noticiário televisivo de grande audiência de sua viúva, Laeticia Hallyday, muito discreto desde o começo da disputa judicial pelo testamento do cantor, que deserdou em seu benefício os filhos Laura Smet e David Hallyday, fruto de uniões anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.