Família podia sair da casa de Jackson, diz funcionário

O gerente do rancho Neverland, propriedade do cantor Michael Jackson, testemunhou hoje que ele nunca recebeu nenhuma ordem para manter a família do acusador do músico presa na propriedade.Joe Marcus, uma testemunha da defesa, depôs hoje sobre uma ordem de instrução aos guardas do rancho para não deixar o menino e o irmão dele saírem da propriedade.Marcus disse que a ordem foi dada porque os garotos geralmente dirigiam veículos dentro da propriedade e que a regra foi criada para impedir que eles saíssem de Neverland e fossem para as estradas das redondezas."Você alguma vez recebeu alguma instrução para manter a família presa contra a vontade?", perguntou o advogado de defesa de Jackson Robert Sanger. "Não", respondeu Marcus.Marcus testemunhou ontem que os membros da família se mostravam "animados" por estarem em Neverland e tinham vontade de voltar ao rancho quando saíam da propriedade."Ela (a mãe) parecia, para você, querer sair do rancho mas não ter permissão para isso?", perguntou Sanger. "Não", disse Marcus. "Ela alguma vez reclamou para você sobre qualquer coisa?". "Nunca", respondeu Marcus.Marcus é um dos muitos atuais e ex-empregados de Neverland chamados pela defesa para desmentir os depoimentos de vários ex-funcionários de Jackson ouvidos durante a argumentação da acusação.Jackson é acusado de molestar sexualmente um garoto de 13 anos que sofria de câncer, entre fevereiro e março de 2003, dar-lhe vinho e conspirar para manter a família dele presa em Neverland, para que participassem da produção de um vídeo de reconstrução da imagem do astro pop, após a exibição do vídeo Vivendo com Michael Jackson, em que o cantor diz gostar de dividir a cama com crianças.O gerente do rancho disse que dava caronas para a família acusadora quando eles queriam sair da propriedade. "Você estava lá para vigiá-los?", perguntou Sanger. "Não", disse Marcus. Quando eles foram fazer compras em uma cidade perto do rancho, Marcus disse que ficou no carro enquanto eles passearam pela cidade de origem holandesa por uma hora. Sanger perguntou se houve algum momento durante essa viagem em que a mãe foi seguida por "uma equipe de filmagem", que ela descreveu quando depôs. "Não que eu saiba", disse Marcus.Ele disse que conheceu a família em um consultório odontológico, onde os dois meninos estavam sendo tratados. Ele disse que estava chovendo e que percebeu a família ansiosa para voltar a Neverland. A mãe disse que marcou consultas no dentista como desculpa para tentar fugir.Marcus disse que ele e outros funcionários de Neverland gostaram da família acusadora na primeira vez que visitaram a propriedade e a suposta vítima sofria de câncer. Mas, quando a família voltou, um ano depois, ele disse que os garotos estavam muito bagunceiros, batendo carrinhos de golfe, tentando dirigir carros do rancho.O funcionário também disse que nunca viu Jackson fazer nada inadequado com crianças e que nunca viu nada que o tivesse feito querer denunciar o cantor. Jackson saiu rapidamente do tribunal após o depoimento. A porta-voz dele, Raymone K. Bain, disse que ele estava com dores por causa de um problema nas costas. Ela disse que Jackson continua tranqüilo por causa dos esforços de sua equipe de defesa, mas que o julgamento em si o deixou muito triste. Se o astro vai testemunhar, ela disse que "ele não vai se opor se seu advogado disser que ele deve".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.