Divulgação
Divulgação

Fagner diz que Paula Lavigne mentiu sobre aprovação da PEC da Música

Em entrevista à 'Rádio Estadão', cantor também falou do disco que gravou com Zé Ramalho e lamentou o desaparecimento de Belchior

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2014 | 19h56

O cantor Fagner disse em entrevista à coluna Mais Música da Rádio Estadão (92.9 FM) na noite desta segunda-feira, 22, que o grupo Procure Saber, liderado pela produtora Paula Lavigne, não teve participação na conquista da chamada PEC da Música, que deve fazer o preço dos CDs e DVDs cair por isentar de impostos a produção desses artigos. Em entrevista ao Estadão publicada no último dia 10, Paula disse que “nós do Procure Saber ajudamos a aprovar a PEC da Música, lei que isenta de impostos (os CDs e DVDs) na música brasileira.” A lei tramitava no Congresso Nacional havia mais de seis anos, até que foi promulgada no dia 15 de outubro de 2013.

Fagner falou de sua atuação em Brasília para a aprovação da PEC quando questionado sobre sua posição com relação aos ideais do grupo Procure Saber, liderado por Paula. “Eu queria dizer a você e aos ouvintes que no momento em que estava acontecendo o Procure Saber eu estava brigando pela PEC da Música. Isso foi uma luta muito grande. Eu fui facilitado pelas minhas amizades e minha relação com a política desde muitos anos, me orgulho demais disso.” Sobre a atuação de Paula para a aprovação da lei, reagiu: “Mentira, mentira dela, a imprensa disse que foi o Gil. Eles querem estar em todas. Deixe eles no ‘procure se informar’. Esse pessoal quer muitas coisas. Deixe eles lá, eles já não gostam de mim, mas eu ando por minhas próprias pernas, sigo meu caminho... Eles se acham, deixe eles se acharem”. O Estado não obteve respostas de Paula Lavigne sobre as colocações de Fagner até às 20h desta segunda-feira.

Fagner trabalha o lançamento de dois discos: Pássaros Urbanos, produzido por Michael Sullivan, e um projeto em CD e DVD gravado ao vivo com Zé Ramalho no final de julho, no teatro Net Rio. Ele falou também sobre o rápido desentendimento que teve com Zé Ramalho no dia da gravação: “No último dia (foram três ao todo), estávamos tocando as músicas do disco e a plateia estava na mão, já tínhamos tido um ótimo resultado. A plateia ficou pedindo outras músicas que não estavam no repertório e eu disse ‘Zé, vamos tocar outras para o público?’. Mas ele não estava preparado, ficou aborrecido e saiu do palco. Mas está tudo bem, ele é meu vizinho, estamos loucos para fazer este lançamento. Ele dá esse tilt mas depois se arrepende”.

Mais conteúdo sobre:
fagner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.