Exposição conta história das capas de discos

Como é que ninguém nunca tinha pensado nisso? Uma das exposições mais simples dos últimos tempos tem feito muito sucesso em Nova York. The LP Show, em cartaz na galeria Exit Art, no SoHo, mostra a história das capas de discos, uma forma de arte com mais de 60 anos que começou a desaparecer em meados dos anos 80 (não adianta dizer que elas apenas ficaram menores nos CDs, porque não é verdade).São quase 3 mil delas, mas não espere encontrar nenhuma "escolha óbvia", como diz o curador Carlo McCormick, crítico de arte e jornalista musical da revista nova-iorquina Paper. Nada de Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, por exemplo.O bacana da mostra é agrupar tanto trabalhos com o mesmo tema quanto tendências na história do design de capas de discos. Como exemplos, há desde trabalhos de artistas conhecidos como álbuns muito obscuros: Sound Effects of Godzilla (1 e 2), Music for Hangovers (música para ressacas) e America, Why I Love Her (do ator John Wayne) são alguns exemplos.A exposição não é organizada cronologicamente nem por estilo musical, mas sim por temas, subtemas, modismos, curiosidades... Há capas em seções de palhaços, crianças, casais, guerras, cadeiras elétricas, crânios, anões, gigantes, astronautas, alienígenas, travestis, super-heróis, animais empalhados, partes do corpo e muito mais. Para os admiradores de artistas "verdadeiros", há uma seção com trabalhos de Herman Nitsch, Robert Longo, Salvador Dalí, Jean Michel Basquiat, Raymond Pettibon e outros.Há também áreas especiais, dedicadas a trabalhos de designers específicos. Uma é sobre Alex Steinweiss, que desenhou a primeira capa ilustrada de LP, em 1939, para uma coleção de canções de Rodgers & Hart executadas pela Imperial Orchestra, um lançamento da Columbia Records. O trabalho deu início a substituição de capas de papel pardo para grupos de álbuns de 78 rpm. Outra área mostra o trabalho de Art Chantry, um designer punk. Há uma parte dedicada a J.G. Thirlwell, que criou todas as capas de discos de seu próprio grupo, o Foetus.Quatro curadores especiais foram convidados para mostrar suas coleções. Thurston Moore, guitarrista do grupo Sonic Youth, exibe sua coleção de capas em preto-e-branco; John Zorn mostra capas de discos japoneses; o DJ Spooky organiza "artisticamente" uma seção de capas brancas; e Christian Marclay traz seus 25 discos diferentes de A Noviça Rebelde.Outra curiosidade de The LP Show é que há apenas imagens: nada de textos explicativos, legendas ou coisa parecida. A idéia é que a experiência visual não seja atrapalhada por nada. A exposição, que demorou três anos para ser montada, fica em cartaz até 17 de agosto. Mais informações podem ser conseguidas no web site http://www.exitart.org.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.