Ex-mulher defende Jackson e surpreende acusação

A mãe dos dois filhos mais velhos de MichaelJackson voltou a testemunhar hoje e descreveu o cantor com uma vítima de "predadores oportunistas" que quiseram enriquecer com os problemas dele e o magoaram.A enfermeira Deborah Rowe, completando o depoimento que virou a mesa dos promotores que a chamaram, disse que um grupo de homens indicados como co-conspiradores de Jackson estavam, na verdade, conspirando contra seu ex-marido.Ela disse que eles a recrutaram para participar de um vídeo elogiando Jackson, e então o venderam por milhões e ficaram com o dinheiro.Ela disse que o organizador do vídeo, Marc Schaffel, gabou-se para ela da quantidade de dinheiro que ele tinha ganhado com Jackson. "Ele estava machucando Jackson, e, em conseqüência, meus filhos", ela disse.Debbie, que está disputando com Jackson nos tribunais o direito pela guarda dos dois filhos que tiveram, Prince Michael, de 8 anos, e Paris, de 7 anos, apenas falou bem de Jackson, e criticou as pessoas que o cercam.Quando perguntada sobre sua opinião sobre dois homens indicados como co-conspiradores, Dieter Wiesner e Ronald Konitzer, ela disse: "Penso que eles são dois predadores oportunistas". Jackson, de 46 anos, responde a quatro acusações por abuso sexual. Ele teria cometido os crimes contra um menor de 13 anos em fevereiro e março de 2003. Ele também é acusado de conspirara para manter o menino e a família dele presos para que participassem de um vídeo de reconstrução de sua imagem, abalada após a exibição do documentário Vivendo Com Michael Jackson. Hoje, a defesa de Jackson pediu para que o testemunho de Debbie fosse eliminado do julgamento por motivos que não foram divulgados. Mais tarde, porém, a solicitação foi retirada. O juiz encarregado do caso, Rodney Melville, permitiu que ela prosseguisse com seu testemunho.A promotoria queria que Debbie confirmasse as acusações de conspiração contra o cantor. O promotor Ron Zonen disse ontem, na corte, que ela afirmaria ter seguido um roteiro ao participar da gravação do vídeo. Mas quando ela subiu ao banco das testemunhas, ela disse o oposto, posição que manteve hoje, dizendo que não havia um roteiro, que a pessoa que a entrevistou tinha uma lista de 105 perguntas mas que ela respondeu a todas espontaneamente.Quando questionada sobre como se sentiu ao fazer o vídeo, no qual disse que Jackson era um "ótimo pai", "generoso e preocupado", ela disse que gostou. "Eu veria as crianças de novo e poderia renovar meu relacionamento com o senhor Jackson". Quando questionada sobre o interesse nisso, ela disse: "Eles são minha família". No final, ela afirmou que sua motivação para participar do vídeo era rever os filhos. Mas, questionada pelo advogado de defesa de Jackson, ela não culpou o cantor por afastá-la dos filhos. Sobre seus sentimentos por ele agora, ela disse: "Sempre o considerei um amigo". "E ainda são?", perguntou o advogado, Thomas Mesereau Jr. "Se ele ainda falasse comigo". Ao descrever Jackson, a pedido de Mesereau, Debbie disse que ele era "generoso, bom pai, ótimo com crianças, coloca outras pessoas antes dele, um brilhante homem de negócios". Ela chorou ao falar do cantor. "Há Michaels diferentes. Há o meu Michael e o Michael que todo mundo vê", ela disse. Jackson ficou com os olhos marejados enquanto ela falava.Antes de deixar a corte, o promotor perguntou se Debbie esperava que Jackson a deixaria ver os filhos. "Espero com todo meu coração que sim", disse Debbie. "Não falei com ele, não sei". Debbie era enfermeira de um dos cirurgiões plásticos de Jackson. Eles se casaram em 1996. O casal se divorciou três anos depois do casamento. Jackson tem um terceiro filho, Prince Michael II, cuja mãe é desconhecida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.