Ex-guarda teve de proibir saída do rancho de Jackson

Um ex-guarda de segurança do rancho de Michael Jackson, Brian Barron, disse nesta quarta-feira, durante julgamento do cantor por suposto abuso infantil, que em uma ocasião foi colocado um aviso ordenando que não fosse permitida a saída de dentro da propriedade do menino que hoje o acusa.A testemunha da promotoria também reconheceu, ao ser interrogado pela defesa do astro pop, que foi correto evitar que os meninos convidados do cantor saíssem do rancho sem a presença de seus pais, e que provavelmente os guardas não permitiriam que nenhum menino saísse sem sua supervisão.Barron, policial do povoado de Guadalupe, foi guarda de Neverland durante cerca de três anos, até que o rancho foi invadido por investigadores do condado de Santa Barbara no dia 18 de novembro de 2003. Disse que seus superiores em Guadalupe sugeriram que ele saísse do rancho em razão da investigação penal.Indicou que recusou uma solicitação do departamento do xerife para que voltasse a Neverland como informante policial. Barron recordou que a ordem para que o menino não saísse do rancho foi colocada em um posto de vigilância durante um período de uma semana em janeiro e fevereiro de 2003. Disse desconhecer quem a redigiu.Ao ser interrogado pelo advogado de defesa do cantor Robert Sanger, Barron reconheceu que como policial, sua obrigação teria sido reportar qualquer atividade ilegal que por ventura presenciasse no rancho, mas que nunca teve motivos para fazê-lo.Jackson, de 46 anos, é acusado de abusar de um menino que sofreu um câncer no estômago entre fevereiro e março de 2003, dar-lhe bebida alcoólica e manter presa sua família, a fim de que gravassem um vídeo para refutar o conteúdo do documentário do jornalista britânico Martin Bashir, no qual o menino e o músico apareciam de mãos dadas e Jackson declarou não achar nada demais dormir com crianças em sua cama.Ao ser questionado pelo vice-fiscal do distrito Gordon Auchincloss, Barron disse que os empregados se sentiam tensos quandoJackson estava em Neverland. "Ele é um perfeccionista. Tudo tem que estar bem", acrescentou, referindo-se ao cantor. "Havia muito trabalho a fazer. Todos se asseguravam com muito cuidado para que as coisas estivessem em ordem".Auchincloss também pediu a Barron que identificasse imagens dos três meninos da comunidade de Los Olivos que visitavam o rancho com freqüência, e que descrevesse sua conduta. "Destrutiva", respondeu. "Sempre que estavam por lá tínhamos carrinhos de Golf descompostos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.