Ex-funcionária vai à Justica contra Madonna

Uma ex-funcionária da empresa cinematográfica Maverick Filmes de Madonna apresentou uma queixa contra ela e outros executivos da empresa, em que diz ter sido perseguida sexualmente e despedida sem justificativa.Yael Oestreich disse no processo apresentado hoje na Corte Superior de Los Angeles que nunca recebeu o aumento de salário que seu o chefe-executivo da empresa Mark Morgan lhe prometeu e que a demitiu em julho sem explicação.No processo, ela pede indenização por vários danos, despesas médicas, perda de salário, entre outros. Ela acusa Madonna e o co-fundador da Maverick Films Guy Oseary de falharem por não conduzirem uma investigação racional sobre o histórico de Morgan antes de contratá-lo e que sabiam ou poderiam saber de suas propensão a perseguição e discriminação sexual. Yael Oestreich, que chegou a ser vice-presidente da Maverick, disse que recebeu críticas de Morgan em 11 de novembro de 2003, durante um evento social, por não participar de conversas sobre temas sexuais. Nos meses seguintes, diz a demanda, ela foi alvo de "investigações sexuais impróprias" e foi acusada de insegurança quando informou à administração da empresa sobre os supostos atos de perseguição.A agência de notícias AP informa que não foi possível manter contato por telefone com Morgan, Oseary e a assessoria de Madonna hoje.

Agencia Estado,

10 de março de 2005 | 21h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.