Ex-empregada contradiz irmão do acusador de Jackson

Uma das ex-empregadas de Michael Jackson deu um testemunho nesta segunda-feira que pareceu contradizer as declarações do menino de que viu o cantor abusando sexualmente de seu irmão.A empregada doméstica María Gómez disse que o alarme que soa quando alguém entra na suíte do músico tinha o mesmo volume no início do ano do que em épocas anteriores.O testemunho da servente no julgamento do astro pop foi no sentido de desacreditar a versão do irmão do acusador, que declarou ter entrado por duas vezes na suíte de dois andares, onde fica o quarto de Jackson e ter visto o músico manusear seu irmão na cama.A defesa argumenta que os eventos narrados pelo irmão do jovem que acusa Jackson jamais aconteceram. Os advogados de Jackson tentam demonstrar que o alarme teria indicado ao cantor que alguém estava entrando em seu quarto.María foi interrogada com relação a uma prova efetuada para medir o volume do alarme. Ela disse ao advogado de defesa Robert Sanger que, durante a prova, a campainha soou da mesma altura que havia soado nos últimos anos.Os promotores sugeriram que o alarme poderia ter soado a uma altura mais elevada durante a prova do que no período em que o jovem que acusa Jackson e seu irmão se hospedaram em Neverland, entre fevereiro e março de 2003.A expectativa era de que a apresentação de provas por parte da defesa prosseguisse até o mês de junho, mas os promotores disseram na corte, na sexta-feira, que a defesa indicou que poderá descansar na terça-feira. Os advogados de defesa não fizeram comentário a respeito.Espera-se que o comediante Jay Leno apresente seu testemunho na terça, sobre uma chamada telefônica que, segundo a defesa, teria sido feita a ele pelo acusador de Jackson. Os advogados de defesa dizem que a família do menino tentou chantagear Leno e outras celebridades.O comediante Chris Tucker, que assim como Jackson se tornou amigo do menino quando ele lutava contra um câncer no estômago, apresentará seu testemunho sobre o tempo que passou com a família, incluindo uma viagem para visitar Jackson em Miami em fevereiro de 2003. A data do testemunho do comediante ainda não foi definida.O cantor Michael Jackson, de 46 anos, é acusado de abusar de um garoto que tinha 13 anos em 2003, dar-lhe bebidas alcoólicas e conspirar para manter presa sua família, a fim de gravar um depoimento refutando o documentário do jornalista britânico Martin Bashir, em que o cantor aparece de mãos dadas com o menino, além de admitir que gostava de dormir com crianças, mas sem objetivos sexuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.